CEZAR CANDUCHO

Minha foto
TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA., MG, Brazil

sábado, 15 de agosto de 2015

Pimentel anuncia retomada de obras importantes para o Vale do Rio Doce.


Governador participou da instalação do Fórum Regional em Governador Valadares e anunciou a retomada das obras de estrada, além do Hospital Regional.
O governador Fernando Pimentel anunciou nesta quinta-feira (13/8), em Governador Valadares, durante a instalação do Fórum Regional de Governo do Território Vale do Rio Doce, que o governo irá retomar as obras de pavimentação do trecho ligando os municípios de Santa Rita do Itueto e Resplendor.
Pimentel destacou o empenho da nova gestão em executar as obras paralisadas pela administração anterior. Em julho, as obras do Hospital Regional de Governador Valadares também foram retomadas por determinação do governador.
“Já retomamos as obras do Hospital Regional. Já retomamos as intervenções da estrada de Malacacheta a Água Boa e vamos retomar as obras de Santa Rita do Itueto a Resplendor. Se nós não temos dinheiro para fazer tudo, temos de ouvir as pessoas para que elas definam as prioridades de suas regiões”, afirmou o governador em seu discurso. O trecho entre as duas cidades era uma das principais reivindicações da região.
A pavimentação do trecho de 13,1 quilômetros ligando Santa Rita do Itueto ao entroncamento com a BR-259 para Resplendor terá investimentos de R$ 23,03 milhões. Outra obra já reiniciada pelo governo é a de melhorias do trecho da MG-127, entre Água Boa e Malacacheta. A obra, com total de 48,8 quilômetros, havia sido paralisada em novembro de 2014 e tem investimentos previstos de R$ 69,96 milhões.
Segundo Pimentel, o governo está se esforçando para superar a crise financeira encontrada pela nova gestão que, além do déficit de mais de R$ 7 bilhões, deixou mais de 700 obras paralisadas por falta de pagamento. “Aos pouquinhos, vamos chegando lá. Tem de ter paciência, não dá para fazer tudo em um dia. Quando você usa esse método de ouvir a população, as pessoas de fato participam do governo e são muito mais solidárias. Elas compreendem o que é governar um estado como Minas Gerais”, disse.
Com o objetivo de se tornar referência na região, as obras do Hospital Regional de Governador Valadares foram retomadas em julho. A unidade vai beneficiar 86 municípios e cerca de 1,5 milhão de pessoas. As obras, paralisadas desde março de 2013, terão investimentos de R$ 89,96 milhões. Com 75% de execução, a conclusão está prevista para fevereiro de 2016. Serão 226 leitos, sendo 176 de enfermarias, 40 de UTI e dez de semi-intensivos, além de contar com um heliponto.
Foto: Marcelo Sant’Anna/Imprensa MG
***
***
***
Emir Sader e Luiz Dulci fazem debate sobre os desafios para o Brasil e a América Latina, nesta sexta, em BH.



O cientista político e professor Emir Sader participa do debate “Desafios do Brasil e da América Latina no Contexto Atual” ao lado do diretor do Instituto Lula, professor Luiz Dulci. O evento será nesta sexta, 14, às 18h, no Crea/MG e é promovido pelo Diretório Nacional do PT, com apoio do Diretório Estadual do PTMG.
Atualmente, Emir Sader  preside o Comitê Científico Consultivo do Programa MOST (Management of Social Transformations) da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).  O Crea/MG fica à Av. Álvares Cabral, 1600, Auditório IS.
Assessoria de Comunicação do PTMG
***
***
***
Sul de Minas amplia programa “Cultivando Água Boa”



O programa é reconhecido pela ONU como um dos melhores em boas práticas na gestão de recursos hídricos no mundo.
Reconhecido pela Organização Mundial de Saúde(ONU), como um dos melhores programas de gestão da água, o programa “Cultivando Água Boa” está cada vez mais presente nas cidades do Sul de Minas. O projeto desenvolvido pela Itaipu Binacional e diversos parceiros foi adotado pelo Governo de Minas como principal ferramenta para a recuperação de microbacias e o enfrentamento da crise hídrica no Estado. O deputado Ulysses Gomes(PTMG) é parceiro na implementação do projeto na região e se reuniu com o diretor de Operação Sudoeste da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), João Bosco Senra, na quarta, 12, para tratar do programa.
Brazópolis, Cambuquira, Itajubá, Monte Sião, Pedralva, Piranguinho e Santa Rita do Sapucaí são algumas das cidades sul mineiras que já possuem comitê gestor instalado com forte participação popular. Pouso Alegre receberá audiência pública no próximo dia 20 de agosto para discutir a adoção do programa. Por meio da formação de grupos de trabalho é possível elaborar, estudar e propor a revisão, sistematização e reestruturação dos programas da administração pública com a finalidade de incorporar as boas práticas e as experiências do Cultivando Água Boa.
“É muito bom perceber o grande interesse das cidades do Sul de Minas no programa Cultivando Água Boa. Torço para que as adesões aumentem. Essa conscientização nos possibilitará atitudes de preservação do recurso para o presente e para as gerações futuras. É o famoso pensar global e agir local”, analisou Ulysses.
Cultivando Água Boa
Criado em 2003, o “Cultivando Água Boa” é desenvolvido nos 29 municípios que compõem a Bacia do Rio Paraná, no oeste do estado, onde vivem mais de um milhão de pessoas. O programa se fundamenta na gestão integrada de bacias hidrográficas, visando garantir a quantidade e a qualidade das águas. E, também, a sustentabilidade do território, com visão sistêmica e holística da relação do homem com a natureza e o meio ambiente onde vive. As ações socioambientais são feitas pela Itaipu Internacional em parceria com prefeituras, órgãos públicos, empresas e a comunidade.
Em Minas Gerais, o programa foi institucionalizado por meio de um acordo de cooperação técnica assinado pelo Governo do Estado e Itaipu Binacional e o decreto nº 46.730, de 25 de março de 2015. A coordenação e o acompanhamento das atividades dos grupos de trabalho são exercidos pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). O programa deverá ser incluído no Plano Plurianual de Ação Governamental (PPAG) do Estado e contará com mais investimentos.
Com informação da Assessoria de Comunicação Deputado Ulysses Gomes
***
***
***
Estado orienta municípios mineiros para a realização das conferências de políticas para mulheres.



Videoconferências estão sendo realizadas na Cidade Administrativa e transmitidas em tempo real às Uaitecs espalhadas nos 17 territórios de desenvolvimento.
Gestores municipais e representantes de movimentos sociais participam, até esta sexta, 14, das videoconferências de políticas para as mulheres, realizadas pela Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac). As reuniões são realizadas na Cidade Administrativa e transmitidas em tempo real às Universidades Abertas Integradas de Minas Gerais (Uaitecs) espalhadas nos 17 territórios de desenvolvimento criados pelo governo Pimentel.
As Uaitecs são coordenadas pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes) e oferecem à população qualificação à distância, por meio de unidades informatizadas. A expectativa da Sedpac é de que sejam beneficiados cerca de 240 gestores e representantes de movimentos sociais, o que vai contribuir para a realização das conferências estadual e municipais de políticas para mulheres.
Neste ano, os municípios mineiros têm até o dia 27 de setembro para realizarem as Conferências Municipais de Políticas para Mulheres, cujo tema é Mais Direitos, Participação e Poder para as Mulheres. Esses eventos são de fundamental importância para o fortalecimento da participação social e a construção de políticas públicas destinadas a esse segmento da população.
Nessa etapa também são eleitas as delegadas que vão participar da 4ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres, que deve acontecer em Belo Horizonte, em local ainda a ser definido, no período de 28 a 30 de outubro deste ano. Da mesma forma, na Conferência Estadual são eleitas as delegadas que representarão Minas Gerais na 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, que será realizada, em Brasília, entre 15 e 18 de março do próximo ano.
As demandas municipais são debatidas e consolidadas na etapa estadual e levadas à nacional, favorecendo a construção de políticas públicas mais efetivas destinadas às mulheres.
“É fundamental que os municípios se organizem, porque é a partir das necessidades e realidades das mulheres nos territórios que serão construídas as propostas que, posteriormente, serão encaminhadas para as etapas estadual e nacional”, enfatiza a subsecretária de Políticas para as Mulheres da Sedpac, Áurea Carolina. Segundo ela, os municípios podem fazer um evento próprio ou se organizarem em uma etapa intermunicipal, envolvendo várias cidades.
Áurea Carolina salienta que as conferências são uma oportunidade para os municípios começarem a discutir os Planos Municipais de Políticas para as Mulheres, reconhecendo que há especificidades de cada região. “Uma mulher que vive no Vale do Jequitinhonha pode ter necessidades muito diferentes de uma que vive na Região Metropolitana de Belo Horizonte”, completa.

Nenhum comentário: