CEZAR CANDUCHO

sábado, 12 de março de 2016

Conserino deveria ser demitido, para o bem do Brasil e de Engels.





Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


"Esse promotor é um irresponsável, um inepto e não tem condições de seguir na carreira. E como ainda existe judiciário nesse País, como acredito que existe, esse pedido será repudiado. Não tem pé nem cabeça". (Deputado Wadih Damous — ex-presidente da OAB-RJ) 

Eu sempre digo que os coxinhas de classe média deveriam estudar ou ler história, apesar de a maioria ter se formada em alguma faculdade, seja ela particular ou pública. Também deveriam perceber, a meu ver, que a classe dominante, proprietária da casa grande, não é de sua turma, mas, evidentemente, sua patroa, a que controla os meios de produção. Coxinha pequeno burguês de direita deveria saber que este País é desigual e injusto e, portanto, sua adesão política aos interesses da burguesia de índole escravocrata se trata de uma grande e irremediável idiotice, alimentada por babaquice.

Isto posto, volto a lembrar que o procurador do Ministério Público paulista é useiro e vezeiro em realizar ações que ele crê que permitam gerar polêmicas, controvérsias, sentimentos de raiva, confrontos, e, por sua vez, atrair os holofotes da mídia conservadora, que prefere que Lula seja preso pelo juiz Sérgio Moro e seus áulicos do Paraná. Se você duvida das peripécias e estrepolias de Conserino, faça uma rápida pesquisa na internet e veja o quão o promotor direitista e atucanado é afoito, imprudente, trapalhão e confunde valentia com precipitação.

Entretanto, eu comecei este artigo a falar sobre coxinhas, porque o promotor Cássio Conserino é um exemplo pronto e acabado de um coxinha que não conhece história e muito menos o processo político de embate ideológico e partidário, porque se trata, realmente, de um coxinha ignorante sobre as questões brasileiras. Ele e mais dois colegas seus do MP de São Paulo, que não vale a pena citar seus nomes, ao investigarem os empreendimentos imobiliários da cooperativa de bancários, Bancoop, perceberam que teriam uma grande oportunidade de aparecer, porque ficaram a saber que Lula e sua esposa, dona Marisa Letícia, foram donos de cotas para uma possível compra de apartamento.

A compra do imóvel não se concretizou, além de Lula, quando as cotas ainda lhe pertenciam, sempre as declarava em seu imposto de renda, um procedimento real e legal. A resumir: A esposa de Lula desistiu do empreendimento e, por sua vez, o ex-presidente não pode ser dono do que não possui, do que não é dele. Ponto. A Bancoop, posteriormente, teve problemas financeiros e administrativos e não pôde arcar com o empreendimento, que foi assumido pela construtora OAS, o que bastou para gerar desconfianças, muitas delas indevidas. Ora bolas, quem constrói empreendimentos imobiliários são as empreiteiras e não, por exemplo, a equipe de um restaurante.

Em nota à imprensa, após a 22ª fase da operação Lava Jato (a operação já está na 24º edição), a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop) afirmou que a transferência do condomínio Solaris à empreiteira OAS aconteceu após acordo judicial firmado com o MP paulista, onde trabalha o promotor midiático, Cássio Conserino. As tratativas foram homologadas, nada mais e nada menos, pela Justiça.

Além disso, por meio de deliberação coletiva dos cooperados, o empreendimento foi transferido à construtora OAS, ou seja, um colegiado de cooperados resolveu, de forma independente e democrática, celebrar acordo com a OAS. Logo depois o acordo específico de transferência foi homologado pelo Poder Judiciário, em 11 de novembro de 2009, conforme informação da diretoria da Bancoop. Além do mais, o promotor tem todos os documentos referentes ao triplex do Soloris enviados pelo próprio Lula.

A peça surreal e irresponsável do promotor Cássio Conserino, que pede a prisão de Lula, o maior líder político da América Latina e um dos maiores do mundo, pois reconhecido internacionalmente por causa de seus dois governos prodigiosos, no que diz respeito a trabalhar pelos interesses do povo brasileiro, notadamente pela enorme parcela mais pobre, resume-se em um apanhado verborrágico, de conotação extremamente agressiva e politicamente panfletária. Sem sombra de dúvida, Conserino ultrapassou todas as medidas e resolve, desrespeitosamente, tratar Lula como se fosse um delinquente — um bandido. Durma-se com um barulho desses.

O promotor desajuizado e politicamente conservador é deverasmente atrevido, ousado e pouco está se lixando para a sociedade e o que pode acontecer em termos de violência e de crise institucional sem precedentes. Ele parece ser um analfabeto político, cujo o combustível é a intempestividade da juventude e a vontade incontrolável de aparecer. Em sua peça de pedido de prisão mal formulada e engendrada, Cássio Conserino, além de pedir a prisão de Lula sem prova alguma, o que se torna uma lástima de propósito injusto, ainda tenta, a demonstrar ira, calar Lula e censurá-lo.

Isto mesmo. Quem ler atentamente a peça de pedido de prisão de Lula se arrepia, porque se trata de palavras muito agressivas, de fundamento estritamente político, pois sem provas cabais para prender o líder de esquerda. Conserino fundamenta suas acusações de fatos e realidades inerentes a um líder político da grandeza de Lula, como ter pessoas que o apoiam em todos os setores e segmentos da sociedade organizada, bem como admirado pelo povo mais simples em geral. Lula é referência para milhões de pessoas, a despeito de Conserino gostar ou não. Prendê-lo por causa de sua realidade político é de uma arbitrariedade e de um despropósito moral e político sem definição.

Conserino alega, de forma estapafúrdia, que o pedido de prisão de Lula se deve a ele fomentar reações contra a Justiça e o Ministério Público, ou seja, contra o sistema judiciário, como se tal sistema, onde trabalham homens e mulheres, não pudesse errar ou ser injusto. Conserino deveria conhecer o pensamento evidenciado na frase "Sem justiça não há paz", e que são os contribuintes que pagam seu salário e financiam seu cargo, seu status e seu poder, inclusive quando ele, como servidor público, resolve, indevidamente, fazer política, a usar a estrutura e a logística do MP.  

Soa como ridículo e sem sentido quando o promotor também cita episódios como a presidente Dilma Rousseff ter visitado Lula, além de entidades como a CUT, os Sem Terra, a OAB, inúmeros juristas, juízes, jornalistas, partidos e políticos, inclusive os de oposição, como os líderes do PSDB, terem questionado as ações completamente imprudentes e, obviamente, injustas, efetivadas por um promotor do Estado de São Paulo que há anos persegue Lula, sem, contudo, ter provas inquestionáveis para prender um político trabalhista da grandeza e importância de Luiz Inácio Lula da Silva.


Até os jornalistas das Organizações(?) Globo, a mando de seus patrões, consideraram as ações de Cássio Conserino de fundo político, como atos desprovidos de consciência, pois vazios de provas. Conserino escreveu um panfleto político e ideológico, autoritário e perigoso para a estabilidade da democracia  brasileira e de suas instituições. Tal promotor é tão ideológico que escreve bobagens ideológicas e políticas, a exemplo de "As atuais condutas do denunciado Luiz Inácio Lula da Silva, que outrora chegou a emocionar o País ao tomar posse como Presidente da República em janeiro de 2003 ("o primeiro torneiro mecânico" a fazê-lo de forma honrosa e democrática), certamente deixariam Marx e Hegel envergonhados". Realmente, não dá...

Primeiro ele confunde (Georg) Hegel, filósofo do Idealismo Alemão, com (Friedrich) Engels, um dos autores do Manifesto Comunista, bem como teórico do socialismo científico, juntamente com Karl Marx. Conserino quis debochar de Lula, porque tem comprovado há anos que é desrespeitoso, além de aparentar se considerar maior do que os homens e as mulheres que são eleitos pela vontade soberana do povo, por intermédio de votos nas urnas. Conserino deveria ser demitido por cometer erros tão graves e absurdamente de uma irresponsabilidade atroz.

Pessoas, a exemplo desse promotor, tem opinião e lado político, tem ideologia e opção partidária. Agora vamos à pergunta que não quer se calar: O que se passa na cabeça de Cássio Conserino? O que se passa, pois, na verdade, um dos principais motivos de o promotor paulista querer prender Lula é porque Lula é Lula. Ou seja: Lula mobiliza setores importantes da sociedade brasileira e internacional. Conserino deixou claro, em seu surreal pedido de prisão, que não quer que Lula se defenda das acusações de ser desonesto. Ainda ressalta que ele falou à imprensa e sua coletiva foi o estopim para os enfrentamentos nas ruas, além de propiciar mobilização da sociedade organizada.

São inacreditáveis, porém, inaceitáveis, os frágeis e inconcebíveis argumentos desse servidor público pago pelo contribuinte. Lula é líder de um partido que vem sendo, sistematicamente, agredido e ofendido por setores de direita do sistema judiciário, do Congresso e da imprensa dos magnatas bilionários, que, por serem seletivos e antirrepublicanos, somente se interessam em combater, acusar, denunciar e punir apenas um lado — o lado do PT e do Governo Trabalhista.

Enquanto isso, os tucanos do PSDB (tem tucanos no DEM, no PMDB, no PSB, no SD e na Rede de Marina golpista) deitam e rolam, porque, mesmo acusados de incontáveis casos de crimes corrupção, dentre outros crimes, andam pelas ruas lépidos e fagueiros, a serem blindados por seus aliados da imprensa mais covarde e corrupta do mundo — a imprensa de mercado dos magnatas bilionários.


Os tucanos são inimputáveis, porque seus crimes estão a dormitar, empoeirados, dentro de armários, arquivos e gavetas. E ninguém faz nada, porque o Brasil se tornou uma ditadura do sistema judiciário, que tem lado, cor ideológica, opção partidária e profundo desprezo pela democracia, pelo Estado de Direito e pelo povo brasileiro. O promotor Cássio Conserino deveria ser demitido, para o bem do País, de Marx, de Hegel e, principalmente, de Engels. É isso aí.

Nenhum comentário: