CEZAR CANDUCHO

quinta-feira, 24 de março de 2016

Lula: Não podemos nos dividir entre vermelhos e verde-amarelos.

 

Em discurso durante encontro com líderes sindicais em São Paulo, na noite desta quarta-feira (23), o ex-presidente Lula ressaltou que "não podemos aceitar o ódio que está sendo destilado nesse País", criticou a divulgação dos grampos de conversas privadas suas e afirmou que irá esperar "pacientemente" o desfecho sobre sua posse como ministro da Casa Civil, que foi suspensa pelo STF.


"Não podemos nos dividir entre vermelhos e verde-amarelos. Temos que nos dividir entre aqueles que querem que o pobre vá para a universidade, que o pobre saia da miséria, e os que não querem", defendeu, no ato realizado na Casa de Portugal, região central da capital paulista.

Sem citar a TV Globo, Lula indicou que parte desse ódio visto atualmente no País é estimulada pela emissora. "Esse ódio criado nesse país, nós sabemos todo dia quando ligamos a televisão. Não é nenhuma dona de casa, nenhum trabalhador, nenhuma empregada doméstica [que instiga o ódio]. Esse ódio é quase que um ódio ideológico. 'Ah, temos que tirar a Dilma, temos que tirar o Lula'", completou, mencionando em seguida o triplex de Paraty que seria da família Marinho.

Lula também disse estar "enojado" com setores de comunicação, ao criticar a divulgação de grampos de conversas particulares suas. "Eu estou enojado com o comportamento de determinados setores de comunicação", disse. "Mas não tem problema, eu não farei o jogo rasteiro que eles faziam comigo. O tempo vai se encarregar de dizer quem estava certo ou não. Eu só queria que eles tivessem profundo respeito", completou.

Sobre a suspensão de sua posse como ministro, Lula ironizou a viagem do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, para Portugal, onde organizou um evento com os principais defensores do impeachment da presidente Dilma Rousseff, como os senadores tucanos Aécio Neves e José Serra, além do vice-presidente da República, Michel Temer. "O ministro Gilmar me cassou e viajou para Portugal. Então vou esperar pacientemente. Mas se enganam aqueles que pensam que eu só vou ajudar a Dilma se eu for ministro", disse Lula.

O ex-presidente contou que já havia recebido um convite de Dilma para ser ministro em agosto do ano passado, mas não havia aceitado. "Ela já tinha me chamado em agosto do ano passado, eu não quis. Eu sei da dificuldade de um ex-presidente conviver com um presidente no mesmo espaço geográfico", afirmou. Em seguida, contou ter aceitado o novo convite "para andar por esse país", entre outros planos.


No ato, as seis maiores centrais sindicais do País aprovaram um manifesto contra o golpe e em apoio a Lula, que foi entregue ao ex-presidente. São elas: CUT, UGT, CTB, Força Sindical, CSB e NCST. Confira abaixo a íntegra do manifesto:

Garantir a democracia brasileira e o respeito à Constituição Cidadã
Impeachment sem crime de responsabilidade é golpe


A ameaça de golpe de quem quer rasgar a Constituição está aprofundando a recessão econômica e aumentando o desemprego no Brasil. Estão em sério risco à democracia, os direitos da classe trabalhadora e a soberania nacional.

Para fazer frente a esta conjuntura, nós, sindicalistas de diferentes tendências sindicais, reunidos neste ato, manifestamos total solidariedade à presidente Dilma Rousseff, legitimamente eleita pela maioria do povo brasileiro, e ao companheiro e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e exigimos a imediata efetivação de sua posse como ministro chefe da Casa Civil.

Expressamos a convicção de que Lula, na condição de maior líder político e popular do país, merece e goza da plena confiança e solidariedade dos dirigentes e da classe trabalhadora brasileira e irá contribuir de forma decisiva para solucionar a crise política e institucional que perturba o Brasil.

Somente a via democrática, sem subterfúgios ou à margem da Constituição, poderá criar as condições para a retomada do crescimento e a geração de empregos no país.

O momento requer unidade e demanda repúdio a atitudes antidemocráticas que, a pretexto do combate à corrupção, resultaram no suicídio de Getúlio Vargas, em 1954, e na deposição de João Goulart, em 1964.

Forjada sua liderança política no movimento sindical, Lula exerceu um governo marcado por importantes conquistas da classe trabalhadora e do povo, entre as quais cumpre destacar:

 A política de valorização do salário mínimo;

 O arquivamento do projeto de reforma trabalhista que estabelecia a prevalência do negociado sobre o legislado;

 A legalização das centrais sindicais;

 Os programas Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida

Com notória habilidade de negociação, Lula, como ministro-chefe da Casa Civil, poderá dialogar com as diversas forças políticas do país, o que reforçará a preservação das conquistas sociais dos últimos 13 anos. O ex-presidente poderá também dar sequência às propostas inscritas no documento "Compromisso pelo Desenvolvimento", lançado por sindicalistas e empresários em dezembro de 2015, como contribuição efetiva para a retomada do crescimento econômico.

Por essas razões, dentre tantas outras que levaram ao engrandecimento da nossa Nação, conclamamos a todos os cidadãos brasileiros, sobretudo os trabalhadores, com serenidade e firmeza, defenderem a nossa democracia, nossa Constituição e nossos direitos sociais duramente conquistados.

São Paulo, 23 de março de 2016


 Fonte: Brasil 247

Nenhum comentário: