CEZAR CANDUCHO

Minha foto
TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA., MG, Brazil

terça-feira, 19 de julho de 2016

Parente, tucano do apagão elétrico, quer privatizar a Petrobras sem legitimidade — Turquia, PSB e racismo.





Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Eu poderia, se quisesse, publicar alguns números e índices positivos da Petrobras, além de repercutir seus lucros e a recuperação econômico-financeira que a megaempresa nacional está a auferir no momento, apesar da campanha insidiosa e antinacional, entreguista e criminosa, de atuação sistemática da grande imprensa de mercado, das agências de classificação de risco de créditos internacionais, dos bancos em geral, das petroleiras estrangeiras, do empresariado tupiniquim e da direita partidária brasileira.

À frente desse processo golpista e criminoso o trio privatista e entreguista retratado nas siglas do PSDB, DEM e PPS, agora com a companhia nefasta do PMDB, partido que liderou o golpe de estado contra a presidenta constitucional de 54,5 milhões de votos, Dilma Rousseff, cujo presidente interino e golpista, o Amigo da Onça, vulgo michel temer (o nome desta peçonha é sempre escrito em minúsculo por se tratar de um pigmeu moral, político e citadino), usurpou o poder com uma imensa fome para desmantelar o Estado Nacional e extinguir ou prejudicar de morte os programas de inclusão social e as leis trabalhistas.

Contudo e a despeito dessa falta de caráter bananeira, a sociedade brasileira e os eleitores que elegeram soberanamente Dilma Roussef tem de ouvir o blá-blá mequetrefe e ordinário de um tucano golpista e ligado às grandes corporações privadas financeiras que atende pelo nome de Pedro Parente. Exatamente, trata-se de um golpista e entreguista de carteirinha que assume o poder sem que seus chefes tenham passado pelo crivo do voto para depois dar uma de galo em terreiro alheio, porque não é de seu direito implementar programa ou projeto para o País desprovido da autorização do povo pelo voto, o que ocorreu em 2014 com a vitória do PT de Dilma e Lula.

Pedro Parente "governa" sem ter autoridade para tal, porque se trata apenas de um incompetente que onde meteu a mão causou prejuízos, tanto na iniciativa privada e, principalmente, no setor público. Trata-se de um executivo do mundo empresarial que, de quando em quando, assume setores importantes do Estado, como no caso agora da Petrobras, sendo que no passado pouco distante assumiu a Casa Civil para ajudar a ordenar a privataria de FHC — o Neoliberal I —, para depois colocar suas mãos imprudentes e predadoras no País, quando assumiu o Ministério do Planejamento. No ministério, ele planejou a entrega do Brasil à gringada malandra e esperta, cujo resultado, apenas um deles, é a péssima telefonia que funciona mal, pois os gringos só querem fazer remessas de lucros sem investir, além de ser, por exemplo, a mais cara do planeta. A telefonia, juntamente com a saúde privada, é campeã de reclamações por parte do consumidor. Só isso. Coisa de tucano...

Depois de provar e comprovar sua incomensurável inaptidão para gerir a coisa pública, Pedro Parente, um inepto a bancar o intelectual, assume ainda, com o apoio do incompetente e hoje golpista FHC — aquele tucano que foi ao FMI três vezes, de joelhos, humilhado e com o pires nas mãos, porque quebrou o Brasil três vezes —, o Ministério das Minas e Energia. Sob sua direção,  o Brasil é vítima de colapso relativo à segurança de oferta de energia. Na verdade, um verdadeiro apagão, que durou longos um ano e seis meses. Quem se lembra de tal escuridão, sabe do que eu estou a comentar. Até os elevadores, na Esplanada dos Ministérios, tinham hora para funcionar para economizar energia, quando a questão não era essa. Os tucanos queriam vender a Eletrobras, coisa que não conseguiram totalmente, apesar de deixarem à deriva as estatais brasileiras com este objetivo.

Porém, os atos e as ações inconsequentes, levianas e irresponsáveis dessa gente que vendeu o Brasil sem dó e piedade não acabam por aí. Ao invés desses vampiros sugadores do sangue dos trabalhadores zelarem e cuidarem do poderoso País sul-americano, a sétima maior economia do mundo, de língua portuguesa e lutar para desenvolvê-lo, bem como incluir seu povo valoroso em vez de optar pela exclusão social, resolveram simplesmente governar para os ricos e fazer o jogo dos interesses dos grandes trustes internacionais.    

Não zelaram pelo patrimônio público, não cuidaram da infraestrutura do País e o venderam. Apenas venderam, sem criar uma única escola técnica ou simplesmente melhorar as condições das rodovias federais em oito anos. Não criaram nada. Pelo contrário, a indústria naval faliu, dentre outros setores que foram à bancarrota. Não se preocuparam nem mesmo em fazer um "colchão" de amparo e proteção ao País, em forma de reservas internacionais contra as crises voláteis e propositais da especulação e do rentismo de essências piratas.

A resumir, a jogatina financeira que movimenta bilhões de dólares sem criar empresas, empregos ou plantar uma única batata ou pé de feijão imperou nos governos do PSDB de "tirar os sapatos e arriar as calças" para os gringos", porque o capital especulativo não produz nada, além de fome, miséria, pobreza, doença e guerra.... E gente do nível de Pedro Parente ou Henrique Meirelles, que aderiu ao golpe e está a planejar a segunda venda deste pobre País, que tem em suas terras a vicejar uma das "elites" mais escrotas e perigosas do mundo consideram que tem moral e autoridade para determinar o que deve ser feito e realizado no País. E o voto, cara pálida? O voto! Aqui vivem os inimigos mais perversos do povo brasileiro, que são as oligarquias de almas escravocratas.

Antes de se preocupar com a defesa nacional contra um hipotético agressor estrangeiro, o povo brasileiro tem de se preocupar, e muito, com seu maior contendor, um inimigo interno poderoso e sectário, que são os membros da casa grande tupiniquim. Eis o inimigo! O que odeia o Brasil e tem profundo desprezo pelo povo, tanto que não suportou os avanços e as conquistas da Nação nos últimos 12 anos, realidades que causaram todo tipo de ódio, intolerância e preconceitos por parte das burguesia e da pequena burguesia (classe média coxinha), que saíram às ruas a pedir por golpe militar, além de insultar até de "macacos" brasileiros negros que se contrapunham ao golpe ou à conduta dos golpistas nas ruas.

Não existe raça. Totalmente equivocado quem pensa assim. É ignorância. Raça não existe. Existe, sim, a espécie humana. Ela é única. Indivisível. Por causa desses ultrajes, o racismo é algo diabólico e que desumaniza a espécie, o ser humano, pois não se pode julgar e conceituar as pessoas por causa da quantidade de melanina em suas peles. O racista é o fim da picada. Um completo beócio ou um neófito sem precedentes, pois um ser sórdido, covarde e infame. Ponto.    

Tais executivos pagos a preço de ouro para sabotar e boicotar o Brasil e favorecer as corporações privadas pertencentes à casa grande em âmbito mundial são cúmplices e apoiadores do golpe bananeiro e terceiro-mundista. São golpistas, porque agem como golpistas, têm os corpos de golpistas, os membros de golpistas e as caras e os focinhos de golpistas.

Portanto, não se iluda com suas palavras aparentemente técnicas e seus ares blasés, a atuarem como "intelectuais", que estão prestes a descobrir a pólvora ou a tirar do bolso de seus ternos uma fórmula para "cuidar" melhor das contas e das finanças do Brasil. Não se engane. Essa gente apátrida, antidemocrática e antinacionalista cuida das finanças e das contas da plutocracia nacional e estrangeira. E só.

Quem construiu o que o Brasil tem e o que foi vendido pelos incompetentes tucanos na Era FHC foram os presidentes e governadores trabalhistas do PTB e do PT, e, antes deles, os imperadores do século XIX, mesmo em regime desumano de escravidão. Ou seja, até escravocratas construíram e geriram o Estado Nacional com muito mais competência do que os demotucanos. Até porque os "gênios" do PSDB somente desconstruíram. Eles são piores que ervas daninhas. Tais plantas pelo menos tem seus papeis na natureza. Fato!

E por quê. Porque a direita brasileira nunca pensou o Brasil. Exemplo: alguém já ouviu por acaso algum membro desse governo espúrio e usurpador do michel Amigo da Onça temer falar em melhorar as condições de vida do povo ou lutar para efetivar a distribuição de renda e riqueza? Evidentemente que não. Essa escória de malfeitores que assaltaram o poder central só falam em "pacote de maldades", privatizações, aumento de impostos e fim dos programas sociais e projetos de desenvolvimento do País. São predadores. Só tiram do povo para se beneficiarem. Tal malta de golpistas que age como se fosse integrante de grupos de salteadores ou de piratas ou de bandoleiros mexicanos de filmes de Hollywood somente quer entregar o Brasil, sem pedir contrapartida a quem compra as estatais, sem pedir nada. Vende por vender. O estrangeiro não tem culpa se a leviana direita brasileira quer entregar o que não é dela, mas do Brasil.

É seu DNA secular de entreguista inquilino da casa grande, de caráter subserviente, colonizado, subalterno, pusilânime e provinciano. A burguesia nacional se transforma nos verdadeiros e autênticos "los macaquistos blancos", como diziam certos argentinos de pedigrees racistas. A casa grande irremediavelmente portadora do incomensurável, inenarrável e indescritível complexo de vira-lata. A casa grande do coxinha que vai a país desenvolvido e o admira para depois retornar ao Brasil e fazer comparações levianas, sendo que quando se tenta melhorar o País imediatamente a burguesia e a pequena burguesia se opõem.

E por quê? Porque, na verdade, elas são sectárias, preconceituosas e lutam para manter o status quo, como foi comprovado em suas micaretas travestidas de manifestações com camisas amareladas tão cretinas, golpistas e despolitizadas tais quais ao pato corrupto e criminoso da Fiesp, a terem ainda, cinicamente e hipocritamente, o velho e batido discurso lacerdista e udenista da corrupção como trampolim para o golpe de estado perpetrado por políticos sem votos ou derrotados quatro vezes consecutivas nas urnas. Ponto.

E por que aves de rapina com aparências de pombos agem dessa forma tão predadora? Porque quem não constrói e não zela pelo coletivo apenas cuida de si e dos seus, como o Pedro Parente que está a cuidar de si e dos grupos os quais ele representa no mundo empresarial e no Palácio do Planalto, ocupado por bandoleiros golpistas, que tomaram o poder de assalto, pois derrotados em eleições contra o PT. Tomaram a democracia e o Estado de Direito de assalto, como o fazem os bandidos que assaltam bancos, roubam pedestres nas ruas e donas de casas indefesas em seus lares.  

Pedro Parente é nada mais e nada menos do que um antinacionalista canibalesco, que, juntamente com outros de seu "pedigree" de golpista e vendilhão da Pátria, vitimizam o Brasil em uma antropofagia que nenhum país desenvolvido faria contra si, ou seja, a prejudicar e contrariar seus próprios interesses. Parente é um agente ligado aos interesses estrangeiros de Wall Street e da Avenida Paulista. Trata-se de executivo treinado no exterior e no Brasil para aplicar teses econômico-financeiras fracassadas sob o auspício do neoliberalismo, que têm por finalidade favorecer ou privilegiar o establishment, principalmente a banca internacional, como a maioria dos economistas e administradores ligados aos tucanos do PSDB, do DEM, do PPS, do PMDB e, incrivelmente, do PSB.

Exatamente, o PSB. Este um partido que jogou sua história na lixeira e, com efeito, envergonha o socialismo, pois se tornou uma pantomima de si mesmo, porque apenas mantém a sigla. O PSB do governador do Distrito Federal, é o fim da picada. Rodrigo Rollemberg é o fim da picada. Ele é um dos  principais responsáveis pela guinada radical do PSB à direita e pelo rompimento do ex-governador Eduardo Campos com o PT. O governador "socialista" de alma tucana do DF sabe disso quando se olha no espelho ao acordar. Mas, disfarça e, no decorrer do seu dia, "esquece", hipocritamente e por conveniência, sua traição ao Brasil, à esquerda, à Dilma, ao Lula, e, principalmente, ao ex-governador Agnelo Queroz e ao PT do DF.

Rollemberg é ingrato; e a ingratidão é uma forma de fraqueza. Ajudar o ingrato é fazer inimigo, pois ao invés de ele se sentir prestigiado e considerado, o ingrato se vê como um ser humilhado e desrespeitado em sua vaidade insana e sua conduta deletéria. Rollemberg foi cooptado pelo establishment e se aliou à direita bananeira golpista que derrubou Dilma Rousseff, como o fora Cristóvam Buarque, outro político de esquerda que se "freirezou" (Roberto Freire). Rollemberg há mais de duas décadas, desde quando ele foi eleito suplente de deputado distrital, elegeu-se com o apoio fundamental e decisivo do PT de Brasília. Rollemberg não merece confiança e nem credibilidade de quem o observa politicamente. Ele trai. Lamentável.

Para finalizar, porque não há muito o que falar do burocrata entreguista e colonizado, Pedro Parente, quero asseverar e reiterar que sua maior obra foi o "apagão elétrico" de um ano e meio. Tucano é assim: extremamente "competente" para implementar políticas públicas de arrasa-quarteirão, lesa-pátria e desmonte das empresas públicas e dos programas de inclusão social, educacional, saúde e infraestrutura. O negócio de tucano é vender e manter o Brasil sob os grilhões do agronegócio, como exportador de commodities e formador de gente pouco instruída e estudada.

Toda essa porcaria e infâmia para manter salários de fome, empregos indignos e similares à escravidão. Toda sordidez e covardia para que os trabalhadores não tenham força de reivindicação, conhecimento e não saibam o que acontece de fato quando a burguesia de Pedro Parente resolve dar um golpe bananeiro e criminoso contra a Nação, com a cumplicidade do pior Judiciário do planeta, porque corrompido e testa de ferro dos interesses da casa grande. Aqui temos o STF, a PGR, o Congresso, a PF e a imprensa de negócios privados cúmplices do golpe de estado, quando não protagonistas.

O presidente da Petrobras disse, em entrevista recente: “Vemos valor nas parcerias. Reduzem riscos, a necessidade de aporte de capital, trazem tecnologias e cultura diferentes. A grande discussão que se coloca neste momento: controle ou cocontrole — controle compartilhado?”. Parente também é contrário à política de conteúdo nacional, bem como defende a abertura do pré-sal às empresas estrangeiras, e afirmou: "O modelo de partilha é o menos favorável para as empresas. Mas isso é questão de política de governo". Qual governo, cara pálida? O governo sem projeto e de desconstrução nacional do temer — o traidor? Realmente, não dá para levar o golpista Parente a sério.

Pedro Parente é um "gênio" às avessas. Criou novo termo para a palavra entreguismo: "cocontrole". Cocontrole, na cabeça subalterna dele e repleta de complexo de vira-lata significa vender a poderosa estatal, além de colocar gringos em postos-chave da emblemática empresa nacional criada pelo estadista, trabalhista e nacionalista Getúlio Vargas. Este político pensava o Brasil. Não era um imbecil provinciano da avenida Paulista, colonizado pelos EUA, metido a cosmopolita cucaracha e tirador de sapatos para gringo ver e depois desrespeitar, como aconteceu no desgoverno de FHC — o Príncipe Privateiro.

Como se vê, trata-se de um entreguista empedernido e de plantão. Como pode um sujeito com o mínimo de inteligência e sensatez ser contra a exigência de conteúdo nacional? A explicar: o Brasil compra algo de algum país, que tem tecnologia e ciência avançadas e que o Brasil desconhece. Nesta compra o Governo brasileiro, no caso os governos trabalhistas de Lula e Dilma, exigiram para comprar de quem vende o repasse do conhecimento científico e tecnológico para que o Brasil seja independente e possa fabricar o produto comprado, como os aviões caças adquiridos da Suécia, por exemplo.  

Aos coxinhas desinformados e conservadores, que admiram burocratas entreguistas e que adoram passar uma aura de sábios sem, na verdade, o serem de fato, informo que Pedro Parente foi CEO e presidente da Bunge Brasil, empresa de bioenergia, agronegócios e alimentos. Após sucessivos prejuízos em 2014, a companhia estadunidense teve de colocar à venda seus ativos. Parente até hoje não explica tal fracasso, como também, evidentemente, jamais explicará por meio da verdade nua e crua o apagão elétrico de um ano e meio, que prejudicou seriamente a economia brasileira. E é exatamente essa gente que conquista o poder por intermédio de um golpe. Pedro Parente tem apenas um propósito: vender a Petrobras.

Ah, se fosse na Turquia. Queria ver a cara do Parente e seus cúmplices de golpe. Os turcos, só para início de conversa, prenderam cerca de dois mil promotores e juízes envolvidos com o golpe no histórico e milenar país dos otomanos. Ah, se fosse no Brasil de juízes como Sérgio Não Vem ao Caso Moro, do PSDB do Paraná, e Gilmar Mendes, do PSDB do Mato Grosso, e procuradores como Carlos Fernando e Deltan Dallagnol, obsessivos pelo PT, mas jamais pelo PSDB, além do intrépido procurador-geral Rodrigo Não Devo Nada a Ninguém Janot, que até hoje não colocou um único demotucano na cadeia, apesar dos inúmeros escândalos de corrupção e das provas, dos depoimentos, das gravações e dos documentos auferidos pela Polícia Federal.

Como pode o Pedro Parente e os golpistas que ele representa na Petrobras ser contra o Brasil ter conhecimento?  Como pode ser contra o modelo de partilha do Pré-Sal? O modelo mantém o controle do petróleo pelo Estado Nacional, sendo que grande parte dos recursos e lucros serão obrigatoriamente destinados por Lei à saúde e à educação dos brasileiros, das gerações vindouras. Como pode um golpista desse (baixo) nível opinar e decidir sobre assuntos que ele não leva a sério? Um incompetente não eleito e usurpador do poder, que obrigou o Brasil ficar na escuridão durante o sombrio e terrível governo de FHC, que deixou os trabalhadores sem aumento salarial durante oito longos anos. Como pode?

Nunca vi cara de pau maior do que o Parente, a não ser todos aqueles que lhes acompanham no golpe bananeiro e terceiro-mundista, que tem a carranca e o focinho da casa grande escravocrata e racista. Golpistas não têm unhas, rostos e nem narizes. Têm garras, carrancas e focinhos. Golpista é como bicho predador: se tiver oportunidade, esfola e mata, além de sair com cara de paisagem como se nada tivesse acontecido ou ocorrido.

Ver e ouvir o Pedro Parente e seus sequazes do Governo golpista e usurpador do poder proporem vender "ativos" da Petrobras é conspiração e ação de lesa-pátria contra o Brasil. Trata-se de provocação. É deboche; é desrespeito, é violência; é entreguismo; é viralatismo; e significa, sobretudo, a submissão à colonização do País por parte dos países considerados desenvolvidos. Pedro Parente é uma farsa, como o é o golpe bananeiro, mas violento do Amigo da Onça — vulgo michel temer. Ah, se fosse na Turquia... Queria ver a cara do Parente e seus cúmplices de golpe. Pedro Parente, o tucano do apagão elétrico de um ano e meio quer privatizar a Petrobras, sem ter legitimidade e autoridade. Falta-lhe a soberania do voto. É isso aí.  

Nenhum comentário: