CEZAR CANDUCHO

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Temer: o verbo que dá vida a um covarde.

temer no carro

Por Tadeu Porto*(@tadeuporto), colunista do Blog O Cafezinho

Gosto muito do Jeferson Monteiro e reconheço a maneira com que ele revolucionou a comunicação na política com sua personagem Dilma Bolada. Entretanto, dentre milhares de acertos, Jeferson pecou numa analogia, coisa rara se tratando do publicitário, ao comparar o golpista Michel Temer ao vilão da série Harry Potter, o Lord Voldemort.

Bom, essa comparação rendeu ótimos memes como “fora você-sabe-quem”, todavia, como sou fã do bruxinho mais querido do mundo, acabei sentindo certo incomodo ao ver o usurpador comparado com o Lorde das Trevas, afinal, Temer é covarde demais para ser comparado à um vilão tão soberano.
Dentro as personagens imaginadas por J.K. Rowling acredito que somente uma se enquadra no perfil do vice decorativo: oanimago Pedro Pettigrew, que vive anos na forma de um roedor na família dos Wealsey, um rato traidor tão medíocre que não consegue adquirir simpatia nem de um psicopata, pois é sujo e baixo demais para tal.
Um vilão, muitas vezes, desperta o interesse e até respeito de seus espectadores. De certa forma, é até comum admirar características muitas vezes associadas à antagonistas (por favor, não associem com outro rato, Diogo Mainardi), como a frieza, a inteligência, a destreza e a perspicácia a ponto de muitos entretenimentos apostarem em anti-heróis ou mesmo na própria vilania como centro do enredo (vide o atual Esquadão Suicída).
Mas com Michel isso não acontece, pois nem mesmo a empatia - um sentimento que devemos cultivar e praticar no dia a dia - um traidor desse nível consegue cativar. Aliás, dos milhares de sentimentos que demostramos como seres humanos, de uma escala que vai da "repulsa total" até a "amor cristão", um ser tão pequeno como o presidente golpista não consegue passar da marca "nojo".
Temer é como o Gollum no Senhor dos Anéis, Efialtes nos 300 de Esparta, as irmãs invejosas da Cinderela ou Salvatore Tessio do clássico O Poderoso Chefão: um traidor que todos torcem contra, até adolescente passando pela fase de rebeldia (na minha fase, eu tinha um apreço enorme pelo Vegeta do Dragon Ball Z).
O presidente golpista nunca vai ser como Scar, do Rei Leão, capaz de fazer um discurso épico juntando Hienas e Leões para uma nova era. Não conseguiria sequer segurar um gato como Ernst Blofeld do 007 (afinal, o felino ia parecer mais malvado que ele), ser admirado por espalhar o caos como o Coringa e nem mesmo pode ser comparado a Frank Underwood, da sérieHouse of Cards. Temer é fraco e ordinário demais para ser algum tipo de vilão e, se não fosse a mídia conveniente e interessada em seu pacote de maldades contra o povo brasiliero, não sobreviveria um ano a frente da presidência da república (ainda sim, é arriscado ele não durar).
Nesse sentido, o encerramento das olimpíadas apenas confirmaram o que todos já sabiam: que Temer não tem a menor capacidade de se mostrar para o mundo, tamanha é sua insignificância perante o legado deixado pelo governo popular que ele assaltou, construído pelo presidente Lula e pela presidenta Dilma Rousseff.
Foi triste ver um evento vitorioso ser finalizado com tamanho vexame, no qual o Brasil foi incapaz de apresentar ao mundo o seu chefe de Estado (que estava com medo de algumas vaias). Além disso, a deselegância e a mal educação que o país sede apresentou com os próximos anfitriões, os japoneses, será algo que marcará negativamente toda história dos jogos olímpicos. É como receber um hóspede em casa, servi-lo com um café frio e um pão de queijo duro e sequer levá-lo até a porta no fim da visita (aqui em Minas isso é impensável).
Ademais, ainda mais triste é pensar que boa parte da população brasileira é conivente com um rato roendo a faixa da presidência por estar altamente contagiada com ódio e intolerância, criada pela elite mais vira-lata do mundo, e sem pensar nas mazelas que um covarde como Temer, um traidor desprovido de honra, pode fazer para colocar em prática os objetivos baixos e mesquinhos da burguesia que o controla, a verdadeira vilã do nosso contexto.
E assim segue a vida de um golpista que chega ao poder pela porta de trás e vive pelas sombras da plutocracia: hora após hora, dia após dia, sempre temendo. Teme vaias, público e críticas, não tendo coragem sequer de enfrentar o povo que, supostamente, deveria ser o responsável por escolher o cargo que ele usurpou.
Temer, nunca um verbo serviu tão bem como sobrenome.

*Tadeu Porto é diretor do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.
*

Nenhum comentário: