CEZAR CANDUCHO

sábado, 17 de setembro de 2016

Serra e Parente desmontam a Petrobras e transformam o Brasil em anão político, dependente e vendedor de commodities.

NESTA FOTO FALTA O PEDRO PARENTE — O INCOMPETENTE. RIMOU!


Por Davis Sena Filho — Palavra Livre



"O PSDB só quis três coisas do governo golpista e usurpador de *michel temer: o Itamaraty para o entreguista José Serra usar sua imensa estrutura para negociar com os estrangeiros a venda do Brasil; a Petrobras para o incompetente Pedro Parente aliená-la e desmantelá-la; e o Ministério da Justiça para o Lex Luthor — vulgo Alexandre de Moraes — controlar a PF, reporta-se ao MPF e ao STF, além de mandar dar porrada nos movimentos sociais, nos sindicalistas e nos partidos de esquerda, hoje na oposição ao governo *temer, após o golpe bananeiro e terceiro-mundista efetivado pela direita brasileira — a dona da casa grande. Como se observa, o PSDB é, de fato, golpista. Como tal entrará para a história". (DSF)  


O golpista Pedro Parente é presidente da Petrobras e deveria ser preso com uma pena de 50 anos, se o Brasil fosse sério. A acusação seria de traição, conspiração e de ações de lesa-pátria.

A verdade é que o governo *temer é um governo de privataria e rapinagem do patrimônio e das riquezas do Brasil. E contra essas traições e covardias contra a Nação, juízes e procuradores não fazem nada, porque cruzaram os braços.

Cruzaram para fazer política baixa e rasteira, realidade reiteradamente demonstrada pelo juiz Sérgio Moro e, ontem, por intermédio do show pirotécnico e circense-midiático, promovido pelo procurador Deltan Dallagnol e seus lugares-tenentes da Lava Jato, que desejam prender o ex-presidente Lula sem provas e sem ter cometido crimes. É o Brasil do golpe de direita, onde a Constituição é um pequeno detalhe.

Contudo, o Brasil não é sério. Aliás, nenhum lugar do planeta seria sério se tivesse o golpista e usurpador *michel temer como presidente, o golpista José Serra como chanceler e o golpista Pedro Parente como presidente da Petrobras.

Pedro Parente não tem voto. Nunca teve e nunca terá. Acho até que se o Parente fosse candidato nem a família dele votaria nele, por saber que ele é realmente incompetente. Parente é o que se convencionou chamar de CEO, no mundo corporativo, ou coisa do tipo que o valha.

Um CEO entreguista, antinacionalista, antirrepublicano e antidemocrático. Exemplo perfeito para trabalhar em prol dos mercados financeiro e do petróleo, que estão neste momento com as garras expostas e as bocarras cheias de dentes afiados e abertas para agarrar, morder e engolir o patrimônio nacional.

Tal executivo é tudo, menos "Parente" dos interesses do Brasil, pois suas relações carnais e sanguíneas se misturam com as da plutocracia nacional e internacional, para quem ele e os demotucanos realmente e verdadeiramente trabalham e sempre trabalharam.

Indivíduos predadores e destrutivos como Parente nunca criaram e construíram nada. É o DNA da direita, da casa grande brasileira.

Nunca pensaram o Brasil para desenvolvê-lo, bem como jamais trabalharam para emancipar, definitivamente, o povo brasileiro, cuja parcela grande da população é ainda subjugada pelas agruras da vida, a começar pela concentração de riqueza, de renda e de terras, que neste País acontece e sempre aconteceu, desde quando Pedro Álvares Cabral desembarcou na Bahia.

O golpista sem voto e, com efeito, desprovido de autoridade e legitimidade para desmontar e desmantelar a Petrobras, que pertence à Nação e não à sua classe social e aos grupos econômicos que ele defende, já anunciou ao mercado e ao patrão dele, por intermédio do quase falido "Estadão", um jornal que é exemplo da incompetência da iniciativa privada, que vive às custas do dinheiro público, "Que redefinirá a cada ano os projetos de investimentos prioritários, tomando como princípio a eficiência dos gastos".

Interessante o modo de falar de tal predador do Brasil, não? Esses executivos do mercado aprenderam com o tempo a serem malandros com frases pretensamente "inteligentes", que presumivelmente dão uma conotação de conhecimento e sofisticação intelectual ao autor, mas que hoje apenas coxinhas idiotizados pela imprensa de negócios privados acreditam e levam tal farsa em palavras, gestos e poses teatrais a sério. Pantomima!

Porém, o golpista Parente e subalterno do golpista Serra, tucano derrotado duas vezes pelo PT em eleições presidenciais e que assumiu o poder por meio de um golpe bananeiro, continuou com sua presepada mal-intencionada e de índole sorrateira:

"O que não faz parte do negócio principal da empresa {Petrobras}, é venda pura e simples. Naquilo que faz sentido estratégico, a prioridade é parceria” — afirmou Pedro Parente, o incompetente executivo emplumado ao Estadão, para logo complementar suas sandices de ordem entreguista e predatória: “Em cinco anos a Petrobrás terá virado a página”.

Vou traduzir a babaquice e a esperteza de tal CEO, que no passado causou graves prejuízos à empresa criada pelo estadista e trabalhista Getúlio Vargas. Parente disse, na verdade, que vai vender a Petrobras, bem como, se tiver oportunidade, a venderá por completo. É isto que esse sujeito daninho faz; é isto que este "mão de tesoura" aprendeu a fazer: privatizar! O negócio dos golpistas é acabar com a Petrobras.

O México até hoje paga o terrível preço de ter se submetido a agiotagem, à privatização e à entrega do Estado nacional às corporações empresariais. Transformou-se em um estado-nação oco. E é exatamente isto que este sujeito, o Parente, subordinado ao capital estrangeiro e aos usurpadores derrotados ou sem votos, a exemplo dos golpistas José Serra e *michel temer, vai fazer contra os interesses estratégicos, que visam a independência do Brasil.

Essa malta sem eira nem beira, ao invés de estar a dar ordens, deveria estar presa em celas individuais para que, sozinhos, ponderassem e raciocinassem sobre suas traições, irresponsabilidades e leviandades. Ah, se esses pulhas fizessem isto com o patrimônio público norte-americano... Vender, hipoteticamente, o país yankee depois de terem dado um golpe em Barack Obama, como fizeram realmente com Dilma Rousseff, uma presidente constitucional e injustamente derrubada, mesmo a ter 54,5 milhões de votos. O que aconteceria? Era cadeia na certa.

Ver o observar as más ações de Pedro Parente são motivos que causam às pessoas, que discordam e combatem o golpe, sentimentos de inconformismo, desprezo e muita indignação. Pedro Parente é um indivíduo de pensamento político e administrativo deplorável, com cabeça colonizada e despido de nacionalidade e de compromisso com a sociedade brasileira.

O grupo o qual ele pertence considera seu pensamento econômico (conservadorismo liberal) hegemônico, mas a verdade é que o PSDB desse incompetente executivo tucano perdeu quatro eleições, a significar que o pensamento dessa gente não é hegemônico, como propalado pela imprensa familiar e aliada de golpistas, que está sempre a manipular e a distorcer a verdade e as realidades que se apresentam. Otário é aquele sujeito (palhaço), que pensa que todo mundo é idiota. Só que não...

Porém, pergunto eu, o que se pode esperar de um tucano golpista e que assume uma empresa, que gente do pensamento dele jamais construiria por não ter competência e nem razões para isso, já que totalmente colonizado e portador de um indescritível, inenarrável e incomensurável complexo de vira-lata. O viralatismo, por sinal, é o DNA da burguesia, a dona da casa grande brasileira. São sintomas latentes e, por conseguinte, facilmente perceptíveis.

Parente está aí para isto: privatizar para entregar! É porque ele e sua turma golpista jamais elaboraram em tempo histórico algum projeto de autodeterminação e independência para o Brasil, porque só sabem atender aos interesses do mercado, pois são agentes treinados e cooptados por países como os Estados Unidos e sua Wall Street.

Países imperialistas, a quem os tucanos e os privatistas colonizados da América do Sul servem, de um modo geral, como se fossem cães de guerra, a se comportarem contra os interesses e o patrimônio de seus próprios países. Essa gente é absolutamente apátrida e, com efeito, pária. Pessoalmente são bem tratados pela gringada esperta e malandra, mas quando viram as costas os desprezo é total, pois "A mão que afaga é a mesma que apedreja" — como bem o disse o poeta simbolista Augusto dos Anjos.

De forma patética e irresponsável, o governo pária e bastardo do PMDB, DEM e PSDB, em âmbito internacional, continua em sua trilha desditosa e ordinária em prol da submissão, da subserviência e da subalternidade do Brasil como Nação, porque sempre apostou na política externa da dependência.

Temos hoje no Brasil um golpista despótico na peçonha de José Serra que, ao imitar seus chefes yankees, inaugurou no Brasil a diplomacia do porrete, da inflexibilidade e da relação imperial com os países sul-americanos, latino-americanos, africanos, além da Palestina, pois Serra, sujeito lacaio dos norte-americanos, obrigou o Brasil a se voltar para os interesses de Israel, como o faz há décadas os EUA. E deu no que deu: intolerância, repressão e carnificina contra o povo palestino.

A política externa capitaneada por Serra e apoiada por *michel temer passou uma borracha nas tradições da diplomacia brasileira, que se baseia na negociação, na paciência, no respeito mútuo, no reconhecimento da autonomia dos países e a desconsiderar o enfrentamento e a retaliação, sendo que é exatamente esta conduta arrogante e prepotente que o golpista Serra tem efetivado à frente do Ministério das Relações Exteriores. 

Que o digam o Uruguai, o Equador, a Bolívia e, principalmente, a Venezuela, que foi impedida de assumir a presidência (rotativa) do Mercosul, porque José Serra é um direitista, um radical empedernido a serviço dos Estados Unidos, país que no passado era inimigo da Venezuela do revolucionário Hugo Chávez; e agora, no presente, inimigo da Venezuela de Nicolás Maduro. O tucano provinciano da Mooca, José Serra, é um brucutu em estado bruto. Ele é uma afronta ao marco civilizatório.  

As (más) ações de Serra no Itamaraty explicam e evidenciam muitas coisas, a exemplo da guinada à direita do Brasil e a intenção de desconstruir o Mercosul, os Brics, a Unasul, a Celac e se aproximar "carnalmente" dos EUA, ou seja, transformar o Brasil em um gigantesco Porto Rico, a garantir os interesses econômicos e geopolíticos dos estadunidenses na América do Sul, a enfraquecer, inclusive, os Brics.

Além disso, Serra quer obrigar o poderoso País de língua portuguesa a se resumir a um reles exportador de commodities, a ter um papel submisso, como se fosse um apêndice do poderoso país da América do Norte. A resumir: pequenez que retrata o tamanho do pensamento geopolítico e diplomático de José Serra, um provinciano mesquinho e que somente pensa em servir à plutocracia. Serra é um pigmeu da política e da diplomacia, da economia e da história.

Não se trata de implicância de minha parte. Trata-se de realidade. Uma triste e dura realidade para o País, que está a ser vítima de uma quadrilha, que tomou de assalto a Presidência da República, como os bandoleiros tomam de assalto os bancos, as residências, as lojas, os motoristas e os pedestres.

Pedro Parente e José Serra resolveram novamente vender o Brasil, como se o País fosse propriedade deles. Obviamente, com o conhecimento de *temer e seus asseclas do PMDB, principalmente o grupo palaciano liderado por Eliseu Padilha, Geddel Vieira Lima e Moreira Franco, com Romero Jucá a trabalhar no Senado, que deveria estar preso depois de ter sido gravado em áudios, que foram vazados para a imprensa burguesa. 

Porém, para o Sérgio Moro, aquele juiz de província, que apenas julga e pune um lado, o lado do PT, além de ter verdadeira paixão pelos Estados Unidos, bem como para os procuradores midiáticos e obsessivos pelo Lula, prender o Romero Jucá e et caterva, que foram gravados a afirmar que "Essa porra (Lava Jato) tem de parar!" é, realmente, uma "porra" que "não vem ao caso". 

A verdade é que o presidente usurpador e politicamente nanico tem o apoio do PSDB por ter assumido o programa dos tucanos, que se resume basicamente em privatizações. É o que o PSDB sabe fazer. 

Entregarão tudo o que puderem, a toque de caixa, pois o prazo da pronta-entrega da loja chamada Brasil termina em 2018, o que faz esses traidores da consciência brasileira terem muita pressa, como ocorreu com a venda do gigantesco poço Carcará do Pré-sal, uma riqueza que era considerada uma garantia para o desenvolvimento da saúde e da educação.

Agora, Serra e Parente, com a conivência do Amigo da Onça *temer, estão a vender o gasoduto da região Sudeste, a mais rica e industrializada do País, cujos preços do gás e a política de distribuição ficarão à mercê de estrangeiros, que, tal qual à telefonia, não vão investir no País, porque o interesse é a remessa bilionária de lucro. Volto a afirmar: esses golpistas traiçoeiros deveriam ser presos, porque são realmente inimigos do Brasil e de sua autonomia e independência. Eles sangram deliberadamente o País.

O povo brasileiro está em uma enrascada que não é brincadeira. A verdade é que o povo entrou de "gaiato no navio", como diz a canção popular. E dou um exemplo relativo ao tucano golpista, sem voto e legitimidade, Pedro Parente.  

Este sujeito incompetente e promovido, convenientemente, como "intelectual" pela imprensa de mercado, acabou com a Bunge Fertilizantes, em um País como o Brasil que está na posição dos cinco países que mais utilizam fertilizantes, porque temos uma agricultura gigantesca e uma das mais desenvolvidas, maiores e fortes do mundo.

Quando Parente presidiu a multinacional, no Brasil, colocou em prática a mesma receita (neoliberal) de rapinagem, que os tucanos estão acostumados a aplicar desde os tempos de FHC — o Neoliberal I. É só o que eles sabem fazer: desconstruir o que foi construído. Eles são como sanguessugas, como parasitas que deixam árvores frondosas ocas e mortas por dentro, pois já sem seiva.  

No decorrer dos anos 2010 a 2014, Parente promoveu uma reestruturação tão nociva, que obrigou a Bunge do Brasil abandonar o mercado. A empresa era uma das líderes do setor de fertilizantes e, de repente, estava a dar tiros nos próprios pés. E por quê? Porque no período da "administração" de Pedro Parente a Bunge se viu obrigada a vender todos seus ativos.

Perceba, a mesma venda de "ativos" da Petrobras anunciada por Parente ao "Estadão". O termo é o mesmo. O tucano disse que a Petrobras vai vender todos seus ativos, conforme ele se pronunciou ao jornal dos Mesquitas, família historicamente golpista desde 1932 e que participou com entusiasmo do golpe a Dilma, em 2016. A Bunge do Brasil ficou sem suas usinas, fábricas e sua estrutura de distribuição.

É o mesmo que o Parente está fazer com as subsidiárias da Petrobras, a impedir desse modo que a empresa emblemática do desenvolvimento e da competência dos brasileiros seja esquartejada e, com efeito, perca o poder político, financeiro e econômico de ser a principal indutora do desenvolvimento brasileiro e na era do Pré-sal, fato este que torna as ações do Governo *temer contra a Petrobras ainda mais graves.

Trata-se de crime gravíssimo de lesa-pátria. Quando digo que esse pessoal irresponsável e predador deveria estar preso, eu não estou de brincadeira, porque o que essa gente está a fazer é ato criminoso, porque coloca o futuro do Brasil em xeque, como aconteceu, terrivelmente, com o México e sua petroleira, a Pemex.

Até hoje as aves de rapina do setor petrolífero internacional comemoram a traição e o entreguismo atávico e subalterno, ao estilo "los macaquitos", da direita partidária que representa os interesses das oligarquias mexicanas, ligadas umbilicalmente à plutocracia estadunidense. Ponto.

Pedro Parente, o capataz-mor de José Serra na Petrobras, causou prejuízos à Bunge do Brasil da monta de US$ 216 milhões, apenas no que tange à área operacional da azarada empresa por tê-lo como seu principal administrador, no curto período compreendido entre os anos 2013 e 2014. Tal executivo foi tão nocivo que muita gente deve ter confundido ele com formigas a destruir todas as folhas de uma árvore frondosa, no caso a Bunge do Brasil.

Agora vamos à pergunta que não quer calar: "Se Parente leva à bancarrota uma empresa de fertilizante da importância da Bunge, o que não fará com a Petrobras, uma gigante do petróleo em âmbito mundial, que sempre foi alvo da direita brasileira e de suas oligarquias associadas aos interesses dos plutocratas internacionais? Respondo: "Fará tudo e qualquer coisa para tirar a Petrobras das mãos da Nação brasileira, porque essa gente estúpida e descompromissada com o Brasil trabalha para as corporações e os governos estrangeiros.

Neste momento, Pedro Parente, José Serra e, evidentemente, o usurpador *michel temer, por intermédio do golpista Eliseu Padilha, da Casa Civil, estão a pressionar, sem sombra de dúvida, o Conselho de Administração da Petrobras, a fim de aprovar a patranha, que é a venda e a alienação de seus ativos.

Posteriormente, escrevei sobre os antigos prejuízos que José Serra e Pedro Parente causaram à Petrobras no governo do vendilhão da Pátria conhecido como FHC — o Neoliberal I ou o Príncipe da Privataria —, que acabou de jogar na lata de lixo o pouco que restava de sua biografia ao apoiar o golpe contra Dilma Rousseff. 

Surreal: Pedro Parente é tão "genial" e "competente" que é o único presidente de petroleira que não gosta de reserva de petróleo, com o auspício de José Serra, o Átila — o Huno da Diplomacia. Por isto que a Bunge do Brasil ficou na situação que ficou e o Estado de São Paulo é o que é: o paraíso das privatizações e dos escândalos jamais seriamente investigados. Só falta convocar a Elena Landau — a "musa" das privatizações. É isso aí.

*michel temer - o nome de tal peçonha é sempre escrito em minúsculo, por se tratar de um pigmeu moral, político, citadino e golpista.

*temer é também conhecido pelo vulgo Amigo da Onça —  Usurpador Traidor.

Golpista é palavra sinônima de *michel temer.

Golpismo é sua essência e razão.

Nenhum comentário: