CEZAR CANDUCHO

Minha foto
TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA., MG, Brazil

sábado, 8 de outubro de 2016

Ex-assessor que tentou suicídio foi preso na Lava Jato por cuidar da agenda de Palocci.


Jornal GGN - O ex-assessor do ex-ministro Antonio Palocci, Branislav Kontic, tentou suicídio na carceragem da Polícia Federal de Curitiba, na sexta-feira passada, mas o fato só foi noticiado pela imprensa na noite desta quinta (6), quando o juiz Sergio Moro já havia autorizado sua remoção para o Complexo Médico Penal do Panará.
Ao saber da notícia, o ex-deputado estadual Adriano Diogo (PT) reagiu nas redes sociais com a seguinte mensagem: "Meu grande amigo Brani, a pessoa mais honesta do mundo!"
Segundo informações do colunista Lauro Jardim (O Globo), Brani, que é sociólogo, ingeriu 40 comprimidos na cela da PF no dia em que Moro decidiu esticar sua temporada na prisão, transformando a prisão temporária em preventiva, a pedido da força-tarefa da Lava Jato.
O Estadão informou que "Brani  se submete a um longo tratamento psquiátrico e toma medicação continuada – antidepressivos." Ele foi levado ao Hospital Santa Cruz, em Curitiba, "para acompanhamento médico e a realização de exames", segundo a PF. Depois, foi levado novamente para a prisão.
No despacho em que mandou dar continuidade à prisão de Brani, Moro disse que recebeu a manifestação das defesas dos investigados solicitando a revogação da medida, mas que não era o caso de "examinar, com profundidade, os álibis apresentados."
Ele listou o levantamento, feito pela Lava Jato, de mensagens que atestam que Brani foi preso porque, como ex-assessor, cuidava da agenda de Palocci. Segundo a Lava Jato, seu pecado foi trocar mensagens com Marcelo Odebrecht, que tentava marcar reuniões com Palocci para, supostamente, discutir medidas do governo Lula que poderiam beneficiar a empresa.
"Em mensagens eletrônicas trocadas entre Marcelo Bahia Odebrecht e executivos do Grupo Odebrecht entre os dias 02 e 03 de maio de 2009 (fls. 70­73, representação policial, evento 1), Marcelo Bahia Odebrecht indaga a Alexandrino Alencar se ele tentou marcar uma reunião com "Italiano" na segunda­feira, e que, em caso negativo, Marcelo ligaria para "Brani" para tentar marcar."
Na visão da Lava Jato, como Brani era sócio de Palocci na empresa Projeto ­ Consultoria Empresarial, pode ser que ele tenha sido beneficiado com eventual repasse de propina da Odebrecht para o ex-ministro.
A Lava Jato, contudo, não conseguiu rastrear esses supostos pagamentos. Isso foi usado por Moro para justificar a necessidade de Palocci e Brani continuarem presos até que o "produto do crime" seja identificado.
"O apelo à ordem pública, seja para prevenir novos crimes ­ e há aparentemente um saldo de propina a ser pago­, seja em decorrência de gravidade em concreta dos crimes praticados, é suficiente para justificar a decretação da preventiva", disse Moro.
Leia a decisão de Moro aqui.
*

Nenhum comentário: