CEZAR CANDUCHO

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

A última batalha de Lula.

lula
Seguramente, está sendo muito mais difícil destruir Lula do que a ditadura tucano-midiático-temerária esperava. Em que pesem como o mundo todas as acusações sem provas e tantas versões mentirosas dos fatos que a mídia e os porões da internet difundem todo dia contra o petista desde 1989, ele resiste.
A Lava Jato, os impérios de mídia, os grupos do Facebook montados em financiamentos obscuros, a operação pseudo policial que só persegue e pune efetivamente petistas, todo esse aparato repressor usado para destruir o ex-presidente não chega aonde precisava, apesar de esses poderes controlarem o Ministério Público, as polícias e o Judiciário.
É estupendo o fracasso de Moros, Dallagnoles e assemelhados em destruir a imagem de Lula como seria “necessário” àqueles aos quais esses esbirros da ditadura temerária servem.
Quanto mais aumentam o tom contra Lula, mais ele se fortalece nas pesquisas – após a queda em 2015, claro.
Lula começou a se refortalecer em 4 de março deste ano, quando foi preso ilegalmente e levado ilegalmente à força para depor. A partir dali, seus adversários começaram a desmoronar e ele a se fortalecer nas pesquisas e, agora, Lula já se tornou uma grande ameaça aos planos dos golpistas.
Solto e sem impedimento a se candidatar em 2018, Lula poderá se eleger até com certa facilidade. Eis porque a guerra contra ele não vai ter fim enquanto ele estiver vivo ou livre.
É nesse momento de recuperação de musculatura eleitoral que o ex-presidente já organiza uma reação ao golpe e ao arbítrio, tomando o lugar que ninguém consegue ocupar na esquerda.
Lula está propondo uma frente de esquerda, uma frente contra o arbítrio, uma reação da sociedade a uma tentativa escandalosa de violação da democracia que se traduz pela sanha de seus inimigos de encarcerá-lo até o fim de sua vida sob a justificativa das próprias “convicções” – ou desejos, o que é muito mais certo.
Muito tem se falado nos últimos anos sobre “horizontalidade” de lideranças dos movimentos políticos de esquerda. Muito se praticou em termos dessa “horizontalidade” e o resultado está aí para todos verem: movimentos sem rumo, sem um discurso, sem planejamento, que batem cabeça em ações erráticas.
Nesta quinta-feira, em São Paulo, Lula inicia a que talvez seja a última batalha de sua guerra pessoal para dar dignidade a este povo. É isso o que ele tentou fazer em seu governo brilhante de oito anos: dar dignidade ao povo brasileiro. Fazer com que não nos sintamos inferiores a povo algum, a nação alguma.
Pode-se dizer que a luta de Lula é a luta contra o complexo de vira-latas que a direita tentou incutir na alma de cada um de nós. Seu governo deu a milhões de brasileiros dignidade e orgulho da própria nacionalidade. Eis o que a direita tentou destruir.
Nesta quinta, 10 de novembro, mais uma vez atenderei ao chamado do ex-presidente.
Não mudo de opinião, não mudo de lado, não compro o discurso que antes repudiava. Tenho uma palavra só.
E enquanto não me provarem com mais do que convicções que esse homem cometeu os atos que lhe atribuem sem provas, estarei ao seu lado, sob sua liderança, porque essa história de horizontalidade é uma idiotice. Todas as grandes conquistas da humanidade tiveram líderes.
Que Lula nos lidere. Por certo, pela última vez. Assim, reproduzo seu chamamento. E peço que quem puder atender a esse clamor na quinta-feira no fim da tarde que o faça sem pestanejar. E quem não for de São Paulo que espalhe esta mensagem para quem conheça por aqui.
Leia, abaixo, a convocação de Lula
Em Defesa da Democracia, do Estado de Direito e do ex-presidente Lula
O estado de direito democrático, consagrado na Constituição de 1988, é a mais importante conquista histórica da sociedade brasileira. Na democracia, o Brasil conheceu um período de estabilidade institucional e de avanços econômicos e sociais, tornando-se um país melhor e menos desigual, mas essa grande conquista coletiva encontra-se ameaçada por sucessivos ataques aos direitos e garantias, sob pretexto de combate à corrupção.
A sociedade brasileira exige sim que a corrupção seja permanentemente combatida e severamente punida, respeitados o processo legal, o direito de defesa e a presunção de inocência, pois só assim esse combate será eficaz e a punição, pedagógica. Por isso, na última década, o Brasil criou instrumentos de transparência pública e aprovou leis mais eficientes contra a corrupção, provendo os agentes do estado dos meios legais e materiais para cumprirem sua missão constitucional.
Hoje, no entanto, o que vemos é a manipulação arbitrária da lei e o desrespeito às garantias por parte de quem deveria defendê-las. Tornaram-se perigosamente banais as prisões por mera suspeita; as conduções coercitivas sem base legal; os vazamentos criminosos de dados e a exposição da intimidade dos investigados; a invasão desregrada das comunicações pessoais, inclusive com os advogados; o cerceamento da defesa em procedimentos ocultos; as denúncias e sentenças calcadas em acusações negociadas com réus, e não na produção lícita de provas.
A perversão do processo legal não permite distinguir culpados de inocentes, mas é avassaladora para destruir reputações e tem sido utilizada com indisfarçáveis objetivos político-eleitorais. A caçada judicial e midiática ao ex-presidente Lula é a face mais visível desse processo de criminalização da política, que não conhece limites éticos nem legais e opera de forma seletiva, visando essencialmente o campo político que Lula representa.
Nos últimos 40 anos, Lula teve sua vida pessoal permanentemente escrutinada, sem que lhe apontassem nenhum ato ilegal. Presidiu por oito anos uma das maiores economias do mundo, que cresceu quatro vezes em seu governo, e nada acrescentou a seu patrimônio pessoal. Tornou o Brasil respeitado no mundo; conviveu com presidentes poderosos e líderes globais, conheceu reis e rainhas, e continua morando no mesmo apartamento de classe média em que morava 20 anos atrás.
Como qualquer cidadão e cidadã, Lula pode e deve ser investigado, desde que haja razões plausíveis, no devido processo legal. Mas não pode ser submetido, junto com sua família, ao vale-tudo acusatório que há dois anos é alardeado dentro e fora dos autos. Acusam-no de ocultar imóveis, que não são dele, apenas por ouvir dizer. Criminalizam sua atividade de palestrante internacional, ignorando que Lula é uma personalidade conhecida e respeitada ao redor do mundo. A leviandade dessas denúncias ofende a consciência jurídica e desrespeita a inteligência do público.
A caçada implacável e injusta ocorre em meio a crescente processo de cerceamento da cidadania e das liberdades políticas, que abre caminho para a reversão dos direitos sociais. Líderes de movimentos sociais são perseguidos e até presos, manifestações de rua e ocupações de escolas são reprimidas com violência, jornalistas independentes são condenados por delito de opinião. Ao mesmo tempo, o sistema judiciário recua ao passado, restringindo o recurso ao habeas corpus e relativizando a presunção de inocência, garantias inalienáveis no estado de direito.
Esse conjunto de ameaças e retrocessos exige uma resposta firme por parte de todos os democratas, acima de posições partidárias. Quando um cidadão é injustiçado – seja ele um ex-presidente ou um trabalhador braçal – cada um de nós é vítima da injustiça, pois somos todos iguais perante a lei. Defender o direito de Lula à presunção da inocência, à ampla defesa e a um juízo imparcial é defender a democracia e o estado de direito. É defender a liberdade, os direitos e a cidadania de todos os brasileiros e brasileiras.
*

Nenhum comentário: