CEZAR CANDUCHO

Minha foto
TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA., MG, Brazil

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Não pronuncies o nome de D. Paulo Evaristo Arns em vão - Michel Temer usou o nome de Dom Paulo Evaristo Arns para defender medidas tomadas pelo seu assombroso e ilegítimo governo.

ABr



Leonardo Isaac Yarochewsky*

“A miséria degrada o homem na sua dignidade e o degradado parte para a violência, única e desesperada arma de defesa”.

“É da maior gravidade a prisão de pessoas que estão lutando por uma definição partidária ou pela criação de bases partidárias, pois trata-se de uma luta dentro da legalidade.” (Dom Paulo Evaristo Arns)




Como bem já havia observado Leonardo Boff, “A riqueza de uma Igreja não reside tanto em sua história secular; em suas catedrais, arquivos e monumentos. Está em suas figuras humanas exemplares. O Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns comparece como um inestimável patrimônio da Igreja do Brasil e de São Paulo. O relato de sua própria vida revela-lo como um pastor, um profeta, um confessor, um mestre e um autêntico discípulo de São Francisco de Assis.”

Dom Paulo Evaristo Arns foi, sem dúvida, um dos principais defensores dos direitos humanos no Brasil. Enfrentou os terríveis anos de chumbo da ditadura militar com coragem, habilidade e como firme negociador com aqueles que detinham através da força o poder.
 
Em sua autobiografia, Dom Paulo Evaristo Arns revela que em diversos encontros que manteve com o general Golbery do Couto e Silva e, com outras autoridades, nunca pode perceber quem era a favor da tortura, das prisões arbitrárias e do extermínio de todos os que se opunham ao sistema militar introduzido no Brasil.
 
Segundo Dom Paulo Evaristo Arns, o próprio general Golbery lhe falava da “linha dura”, e diversas autoridades procuravam justificar prisões e até mesmo arbitrariedades. O Cardeal em testemunho revela que: Um comandante do 2º Exército chegou a me dizer, na minha casa: “Compreendo a sua situação, que é a do samaritano. Mas eu queria que o senhor também aceitasse a minha posição, que é a de guerra contra todos os amigos do comunismo.”
 
Dom Paulo Evaristo Arns percebeu assim a necessidade de manter com mais frequência e urgência encontros com os generais, posto que os grupos de torturadores se protegiam mutuamente, “mas também se eliminavam quando alguém desertava ou procurava outro ponto na vida.”
 
Em 23 de dezembro de 1997, o jornal O São Paulo publicou a última entrevista antes do Natal de Dom Paulo Evaristo Arns como arcebispo de São Paulo. A manchete que ocupou toda a última página daquela edição especial de Natal, foi: “Quero sem lembrado como amigo do povo”, disse o Cardeal D. Arns.
 
Conhecido mundialmente como o “Cardeal dos Direitos Humanos”, quando perguntado como gostaria de ser lembrado na história da Igreja, Dom Paulo Evaristo Arns respondeu:
 
“Eu gostaria de ser lembrado como amigo do povo. Porque eu defendi os direitos humanos de todo o povo, sem olhar religião, sem olhar ideologia, sem olhar para as capacidades ou possibilidades das pessoas quer eram perseguidas, mas sim para que todas elas tivessem seus direitos garantidos e dignidade humana revelasse o amor divino.”
 
Na noite do último dia 24/12, o atual ocupante do Palácio do Planalto, em cadeia oficial de rádio e televisão, se dirige a nação para defender medidas tomadas pelo seu assombroso e ilegítimo governo que - somente os endinheirados e os plutocratas não admitem - vem usurpando direitos e garantias do trabalhador e do povo brasileiro.
 
Mas, o que causou mais indignação no pronunciamento feito por aquele que quando ocupava o Palácio do Jaburu já tramava apunhalar, pelas costas, a então presidenta da República Dilma Rousseff, foi a utilização do nome daquele que viveu sua vida dedicada, como lembrado acima, a defesa dos direitos humanos, ou como ele mesmo gostaria de ser lembrado, “amigo do povo”.
 
Aquele que vem conduzindo o País para atender interesses internacionais, para aumentar os privilégios dos já privilegiados de sempre; aquele que sob o nome de “flexibilização” dos direitos trabalhistas (CLT) vem aniquilando conquistas históricas e fundamentais que buscavam assegurar aos trabalhadores o mínimo de dignidade nas precárias relações de trabalho – direitos econômicos, sociais e culturais fazem parte dos chamados direitos humanos de 2ª geração -; aquele que congela por duas décadas investimentos na saúde e na educação; aquele que assina um decreto de indulto que representa um verdadeiro retrocesso em relação aos direitos dos presos; aquele que governa com brancos, para brancos, com ricos para ricos, com empresários para empresários, definitivamente não é “amigo do povo” e nem dos “direitos humanos”.
 
Roga-se assim, que o nome Dom Paulo Evaristo Arns, “amigo do povo” e “Cardeal dos Direitos Humanos”, não seja pronunciado em vão.
 
 
*Advogado e Doutor em Ciências Penais pela UFMG

*

Nenhum comentário: