CEZAR CANDUCHO

domingo, 8 de janeiro de 2017

Presídios refletem *temer e mostram como age um governo fascista, entreguista, racista, excludente e perverso.




Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


“Tinha que fazer uma chacina por semana”. (Bruno Júlio, secretário nacional de Políticas para a Juventude do governo golpista e corrupto de *mi-shell temer ao comentar sobre os massacres recentes acontecidos em presídios)

Nenhuma surpresa quanto aos massacres em presídios e, principalmente, no que diz respeito às declarações e às ações de ministros de baixíssimo nível intelectual e moral, no que é relativo à conduta e ao pensamento rasteiro e realmente imoral quando Bruno Júlio, secretário nacional de Juventude, afirmou ser ele “meio coxinha sobre isso [assassinatos de presidiários]”, porque ele é filho de policial e, por sua vez, “Tinha era que matar mais. Tinha que fazer uma chacina por semana”.

Ao tempo em que esse fascista irremediável, além de ser o apologista de crimes graves, a exemplo de assassinatos de pessoas presas sob a custódia do estado, Bruno Júlio, que oficialmente representava os interesses da juventude no Governo Federal, mostra e reitera, na verdade, do que é feito o governo pária e selvagem de *mi-shell temer, sujeito traiçoeiro, que tomou o poder de assalto e se tornou o pior presidente da República de todos os tempos e em todos os sentidos.

Um governo de direita que humilha e envergonha a sociedade e que tornou o Brasil um pardieiro das oligarquias regionais, que se uniram para cometer todo tipo de crime institucional e constitucional para inviabilizar um governo popular legítimo e, consequentemente, dar fim ao projeto de independência do País e à emancipação do povo brasileiro, que aos poucos está a perceber os motivos pelos quais aconteceu a sedição descarada e violenta: roubar e entregar o País, a forma mais comum quando canalhas desprovidos de projetos e programas tomam posse, criminosamente, do patrimônio e do dinheiro públicos.

Os números e índices econômicos comprovam a terrível realidade que está a enfrentar o Brasil. São índices baixíssimos e uma vocação, por parte desse governo pária e comandado por patifes, que tem como propósitos fundamentais cometer covardias e incompetências que deixariam o diabo envergonhado por não ser tão perverso como os golpistas e os usurpadores, que depuseram uma presidente honrada, honesta e que não cometeu crimes de responsabilidade, conforme atestou o próprio MPF, corporação que também está, vergonhosamente, envolvida com o golpe digno de cucarachas de terceiro mundo.

O que se esperar de um governo reacionário e ultraconservador, que teima em aplicar políticas econômicas radicalmente liberais, que fracassaram no mundo inteiro e que tem quanto a esta verdade o reconhecimento do FMI, uma instituição que cooperou, e muito, para transformar a América Latina em apenas exportadora de riquezas para os países do primeiro mundo.

Países que, mesmo assim, começaram a quebrar a partir de 2008 por causa de políticas excludentes e, portanto, concentradoras de riquezas, além da permissividade quanto às ações dos bancos, das bolsas e do setor imobiliário, que, juntamente com a corrupção de empresários e agentes do estado, transformaram o mundo na Casa da Mãe Joana, em um cassino para “tubarões” encherem as burras de dinheiro, sem que praticamente nada acontecesse com os ladrões, que afundaram as economias nacionais. E deu no que deu: uma crise econômica e financeira estratosférica e sem precedentes, pois globalizada, porque de âmbito mundial.

E é este processo digno de um Drácula e que afundou o Brasil nos desgovernos de *FHC que está a ser implementado novamente e radicalmente neste País pelas mãos de golpistas sem votos ou que perderam as eleições exemplificados em *mi-shell temer, *FHC, José Serra, Eliseu Padilha, Aécio Neves, Pedro Parente, Moreira Franco, Henrique Meirelles e o restante da camarilha que caiu do poder por causa de corrupção e declarações irresponsáveis e odiosas como a do secretário Bruno Júlio, um sujeito sem noção, cujo pai, Cabo Júlio, é um famoso policial de extrema direita que virou deputado, com perfil similar ao deputado fascista, Jair Bolsonaro.  

Governo que tem Bruno Júlio como secretário de Juventude é governo que está disposto a não resolver os problemas concernentes à juventude, principalmente a que está exposta à violência e ao tráfico de drogas, porque jovens, geralmente negros, que moram nos guetos, nas favelas e nas periferias, sem acesso ao estudo, ao esporte, ao lazer e ao consumo tão propagado pelos meios de comunicação de massa, são a mão de obra do tráfico e de quadrilhas que dominam os bairros e as favelas das cidades brasileiras.

Bruno Júlio era, inacreditavelmente, o secretário de Juventude! Só se for da “Juventude Nazista”, pois suas declarações, dignas de um covarde e repletas de sandices, vão em direção ao nazi-fascismo, bem como um governo que tem o Lex Luthor, vulgo Alexandre de Moraes, que comete erros graves, um atrás do outro à frente do Ministério da Justiça, realmente não pode estar comprometido com o combate à corrupção, ao crime organizado e com as demandas provenientes de um ministério tão importante como o é o da Justiça. Moraes é incomensuravelmente menor do que o Brasil, assim como o presidente pária e golpista *mi-shell temer.

O que ocorreu no Brasil e em presídios é um sintoma grave de um País seriamente doente moralmente e dividido por um golpe de estado. Não se trata de ocorrências e incidentes aleatórios, mas, evidentemente, de um processo generalizado, que se efetiva em todas as áreas e segmentos de atividade humana, política e econômica. O Brasil é um País extremamente violento, sectário, racista e intolerante. Em suas cidades e terras moram oligarquias e grupos econômicos que até hoje não saíram da era da escravidão.

O governo *temer é o retrato fidedigno da barbárie e da selvageria que ora está a escurecer o Brasil, com o apoio de uma das piores classes médias do planeta, porque copartícipe de golpes, a exemplo de 1964 e 2016. Um golpe terrível contra os interesses do País, que também tem a finalidade de tirar dos pobres para dar aos ricos. *mi-shell temer é o Robin Hood às avessas, bem como o ministro da Justiça do governo radicalmente neoliberal, Alexandre Lex Luthor de Moraes, é juntamente com o *temer o maior responsável pelos massacres medievais ocorridos nos presídios deste País dominado por golpistas e usurpadores terceiro-mundistas e testas de ferro dos interesses da plutocracia.

Os massacres com a queima de corpos, mutilações e decapitações dos presidiários refletem as intenções dos golpistas aboletados no Palácio do Planalto, nos ministérios, no Congresso Nacional, no STF, na PGR e em varas de primeira instância como a chefiada pelo juiz Sérgio Moro, do PSDB do Paraná. Os assassinatos de presidiários são absolutamente a cara do governo de direita e empresarial do PSDB/PMDB, que está a vender o Brasil a toque de caixa e a desmontar, alucinadamente, o pequeno estado de bem-estar social que estava a ser construído pelos governos social-democratas e trabalhistas do PT.

A verdade é que o PSDB e o PMDB e os partidos aliados não têm e nunca tiveram projeto de País e programa de governo. Deram um golpe de estado terceiro-mundista apenas para manter o Brasil como País de periferia e preso à órbita de influência dos Estados Unidos, além de vender o patrimônio público e tirar do povo suas conquistas evidenciadas em 13 anos de governos trabalhistas e do Partido dos Trabalhadores. O negócio da direita política e empresarial é concentrar a renda e a riqueza e dar uma banana ao povo brasileiro e seus trabalhadores, como as “reformas” vampirescas impostas por uma quadrilha que prejudicam seriamente os aposentados e os trabalhadores.

A verdade é que o governo *temer e suas ações de desmonte do Brasil refletem a violência dos presídios. Não se trata de um processo solto, pois tudo se encaixa, porque a violência é institucionalizada por um governo ilegítimo e apoiado juridicamente e judicialmente por juízes, procuradores e delegados da PF e suas ramificações, além de se amparar em uma das piores formações de parlamentares no Congresso, que deram um golpe e que são completamente distantes do povo brasileiro.

Senadores e deputados que somente representam e defendem os interesses de suas corporações estatais e privadas. Um Parlamento ultraconservador e intelectualmente sofrível, que jamais, em tempo algum, pensaria sobre o desenvolvimento do Brasil, a emancipação de seu povo e a independência política e econômica do País, geograficamente de dimensões continentais, mas estrategicamente tão pequeno em termos mundiais como a casa grande nativa, que rouba e oprime o povo há séculos. Tão pequeno e minúsculo politicamente como o PSDB de *FHC e o PMDB de *temer.

O governo de *mi-shell temer é o responsável maior pelos assassinatos e Alexandre de Moraes, um arremedo de ministro da Justiça, deveria ser preso e avisado que o Brasil não é São Paulo, estado que liderou e lidera golpes de estado, onde os governadores tucanos tratam as questões sociais como caso de polícia, bem como lugar que só falta privatizar as ruas, as calçadas, as praças das cidades e outros logradouros públicos. Golpistas cometem golpes. Golpe é crime e, com efeito, os usurpadores do governo pária e bastardo de *temer deveriam, igualmente aos presidiários mortos, também estar na cadeia. Presídios refletem o governo *temer e mostram, sobretudo, como age e atua um governo fascista, entreguista, racista, excludente e perverso. É isso aí.


*mi-shell temer - o nome de tal peçonha é sempre escrito em minúsculo, por se tratar de um pigmeu moral, político, citadino e golpista.

*mi-shell temer, além de ter seu nome sempre escrito em minúsculo, a partir de agora terá seu primeiro nome escrito com as letras m-i-s-h-e-l-l. Portanto, o nome de tal desditosa peçonha passa a ser escrito no Palavra Livre como *mi-shell temer. PS: sempre em minúsculo.

*mi-shell é também conhecido pelo vulgo Amigo da Onça — o Usurpador Traidor.

*Golpista é palavra sinônima de *mi-shell temer.

*mefistófeles é *mi-shell temer.

*mi-shell temer é *mefistófeles.

*mefistófeles é sempre escrito em minúsculo.

*FHC é o Neoliberal Golpista I, aquele tucano que governou para os ricos, foi ao FMI três vezes, de joelhos, humilhado e com o pires nas mãos, porque quebrou o Brasil três vezes. 

*FHC, o grão-tucano de direita, defensor da plutocracia, jogou o que restava de sua biografia na lixeira da história, porque se tornou cúmplice e protagonista do golpe de estado terceiro-mundista de 2016, que derrubou do poder a mandatária trabalhista Dilma Rousseff — a presidente legítima e constitucional.

Nenhum comentário: