CEZAR CANDUCHO

Minha foto
TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA., MG, Brazil

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

CUNHA PÕE TEMER EM REUNIÃO SOBRE CARGOS DO PMDB NA PETROBRAS.




O primeiro depoimento do ex-deputado Eduardo Cunha ao juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, decepcionou quem aguardava por grandes revelações, mas já deu indícios do poder de fogo do peemedebista: o ex-presidente da Câmara contestou afirmações de Michel Temer sobre sua participação nas decisões da Petrobras; Cunha afirmou que Temer participou, em 2007, de uma reunião com a bancada do PMDB para discutir as indicações do partido para diretorias da Petrobrás; “Essa reunião era justamente pelo desconforto que existia com as nomeações do PT”, afirmou Cunha; Temer depôs, por escrito a Moro, como testemunha de defesa Cunha e declarou que “não houve essa reunião”, citada na denúncia da força-tarefa da Lava Jato; Cunha, por sua vez, disse a Moro que “a resposta de Michel Temer nas perguntas está equivocada”

8 DE FEVEREIRO DE 2017

247 - O primeiro depoimento do ex-deputado Eduardo Cunha ao juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, decepcionou quem aguardava por grandes revelações, mas já deu indícios do que pode está por vir: ex-presidente da Câmara contestou afirmações de Michel Temer sobre sua participação nas decisões da Petrobras. Cunha afirmou que Temer participou, em 2007, de uma reunião com a bancada do PMDB para discutir as indicações do partido para diretorias da Petrobrás. “Essa reunião era justamente pelo desconforto que existia com as nomeações do PT”, afirmou Cunha. Temer depôs, por escrito a Moro, como testemunha de defesa do peemedebista, preso desde outubro de 2016. Em suas informações, porém, ele declarou que “não houve essa reunião”, citada na denúncia da força-tarefa da Lava Jato. Cunha disse a Moro que “a resposta de Michel Temer nas perguntas está equivocada”.

As informações são de reportagem de Ricardo Brandt, Beatriz Bulla, Valmar Hupsel Filho e Mateus Coutinho no Estado de S.Paulo.
PUBLICIDADE


"'Essa reunião era justamente pelo desconforto que existia com as nomeações do PT de Graça Foster para a Diretoria de Gás e José Eduardo Dutra para a presidência da BR Distribuidora terem sido feitas sem as nomeações do PMDB”, afirmou Cunha, interrogado pela primeira vez por Moro como réu da Lava Jato.'

O ex-presidente da Câmara explicou que “houve uma revolta da bancada do PMDB na votação do CPMF”. Temer era o presidente nacional do PMDB, na ocasião.

'Nesse dia, eles chamaram, Michel e Henrique Alves chamaram para essa reunião, para acalmar a bancada, e a bancada acabou votando em seguida a CPMF.'

'Ele (Temer) participou sim da reunião e foi ele que comunicou a todos nós o que tinha acontecido na reunião, porque não era só o cargo da Petrobrás, era outras várias discussões que aconteciam no PMDB.'

Cunha declarou que havia um hábito semanal de reuniões dele com Temer e outros coordenadores do PMDB para “debater e combinar toda situação política”.
'Tudo era reportado, sabíamos de tudo e de todos.'”

*

Nenhum comentário: