CEZAR CANDUCHO

Minha foto
TERRAS ALTAS DA MANTIQUEIRA., MG, Brazil

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Tarso desmente tese contra Lula e Moro apela para Mensalão.


Jornal GGN - Em depoimento do ex-ministro Tarso Genro, em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o magistrado do Paraná Sérgio Moro fugiu dos autos e o questionou sobre a refundação do PT, defendida pelo ex-ministro após o Mensalão.
Tarso Genro defendeu o recomeço para o partido logo após o julgamento da Ação Penal 470, conhecida como Mensalão. Respondendo como testemunha do caso específico sobre as acusações que agora recaem sobre Lula, Moro, contudo, desviou do tema para o questionar sobre punições a filiados do PT, como José Dirceu e Delúbio Soares.
Segundo Kennedy Alencar, em sua coluna desta sexta-feira (17), "é um despropósito perguntar, num processo com acusações específicas contra Lula, se o PT puniu ou não José Dirceu e Delúbio Soares após o mensalão".
Para o jornalista, o juiz de primeira instância da Lava Jato entrou "num seara totalmente subjetiva" com as perguntas, que no passado foi objeto "de um amplo e público debate político de um partido sobre como reagir a um escândalo que rachou o pilar ético que a legenda defendia".
No depoimento prestado nesta quinta-feira (16), na 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, durante a ação do triplex do Guarujá, o ex-ministro afirmou que Lula jamais participaria de esquema de arrecadação de propina, negou qualquer ato ilegal praticado pelo ex-presidente, seja com objetivos partidários de financiamento ou pessoal.
Narrou que o governo Lula conquistou a maioria parlamentar com uma base programática e não por esquemas de propinas. Disse que o ex-presidente institucionalizou relações, experiência que destaca como "única", semelhante à praticada pelo governo de Tancredo Neves.
Disse que, apesar de a ocupação de cargos durante gestões e governos ocorrer na relação entre o Executivo e as siglas, as indicação não são da alçada da Presidência da República, mas da equipe ministerial e dos representantes de cada partido.
Diante da defesa de Tarso a favor de Lula, o juiz do Paraná recorreu ao caso já julgado do Mensalão para tentar defender possíveis ações e omissões do PT como de responsabilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Kennedy, em sua coluna, lembra ainda: "Moro indaga se a ideia de refundação do PT significaria o reconhecimento de práticas ilícitas por filiados ao partido. Ora, obviamente que sim. Houve um escândalo de corrupção julgado ao vivo pelo STF. Mas Lula não foi réu no mensalão".

Nenhum comentário: