CEZAR CANDUCHO

domingo, 20 de dezembro de 2015

PTMG - Hospitalidade e belezas de Minas à espera dos turistas nas férias de verão.


Minas Gerais é o segundo estado em quantidade de turistas e deve registrar crescimento de 20% na receita em 2015. Conheça destinos culturais, de aventura, relaxamento, romance e muito mais.

Todo muito reclamando de falta de dinheiro… Mas quando chegam os dias de folga, as cidades turísticas lotam. Viajar é, para muitos, prioridade. Isso faz do turismo importante segmento econômico. Em Minas Gerais, quase meio milhão de empregos são gerados pela atividade. E os números mostram que os mineiros fazem jus à fama de hospitaleiros. Segundo dados da Secretaria de Estado do Turismo (Setur), o estado é o segundo do país em quantidade de turistas que soma 10,5 milhões por ano. Em 2014, a receita foi R$ 16,7 bilhões, aumento de 22% em relação ao ano anterior. A expectativa é a de que em 2015 haja crescimento de 19,8%.
Segundo o diretor de Pesquisa e Informação Estatística da Setur, Rafael Oliveira, o diferencial é o “jeitinho mineiro”. “Os empresários do setor são desde moradores de fazendas até grandes negociantes. Mas, em comum, o prazer em receber faz com que o estado cresça em quantidade e qualidade. Por isso, não há cenário de crise por aqui” comenta.
As opções atendem preferências variadas. Cerca de um terço dos turistas viaja a lazer. E a diversão preferida deles é o turismo cultural, que representa quase a metade destes roteiros. Para as férias de verão, programação traz festivais, festas populares, e roteiros alternativos para todos os bolsos. Segundo dados do Ministério da Cultura, Belo Horizonte foi a sétima cidade do país em número de turistas no ano passado. Confira possibilidades interessantes da capital e região:
Circuito Liberdade
circuito-liberdade-corpo
Teatro
A tradicional e aguardada Campanha de Popularização do Teatro e da Dança promete agitar a vida cultural dos belohorizontinos entre os dias 06 de janeiro e 06 de março de 2016. Em sua 42ª edição, o evento resgata os grandes sucessos teatrais apresentados durante o ano, a preços promocionais. Estão previstos mais de 170 espetáculos em todos os teatros da cidade. Para programação completa, acesse, a partir do dia 1 de janeiro, o site www.sinparc.com.br.
Referência em Arte Contemporânea
Localizado na cidade de Brumadinho, o Inhotim é considerado um dos maiores museus contemporâneos a céu aberto do mundo e oferece ao visitante um grande conjunto de obras de arte, expostas em galerias e em conjunto com um jardim botânico de rara beleza. O acervo abriga mais de 500 obras de artistas nacionais e internacionais. Passeio imperdível nas férias de janeiro.
Cidade: Brumadinho
Distância de BH: 60 km
Mais informações: www.inhotim.org.br
Giro histórico
Aqueles que gostam de bater perna nas ladeiras mineiras, tem movimento constante nas cidades históricas:
tiradentes-corpo
Distância de BH: 190 km
Tem que conhecer: Chafariz de São José, Igreja Nossa Senhora do Rosário, Igreja Matriz de Santo Antônio, Serra de São José.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Uma viagem no tempo
A primeira cidade brasileira e uma das primeiras do mundo a ser declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, Ouro Preto foi construída por artistas e escravos, no auge do Ciclo do Ouro. Passear pelas suas ruas nos faz sentir espectadores vivos da história. Primeira vila, bispado e capital de Minas Gerais, Mariana é uma das mais importantes cidades históricas do Brasil, sendo a primeira e única cidade do período colonial com traçado urbanístico projetado. Possui um dos mais belos conjuntos arquitetônicos representativos do barroco de Minas Gerais. Seu charme é inigualável.
Cidade: Ouro Preto
Distância de BH: 97 km
Tem que conhecer: Maria Fumaça, Matriz Nossa Senhora da Conceição, Museu da Inconfidência, Igreja São Francisco de Paula, Igreja Nossa Senhora do Carmo, Parque Estadual do Itacolomi.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Cidade: Mariana
Distância de BH: 114 km
Tem que conhecer: Mina da Passagem, Maria Fumaça, Museu Casa Alphonsus de Guimaraens, Praça Minas Gerais, Catedral Basílica da Sé, Museu Arquidiocesano de Arte Sacra.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Sabará
A história de Sabará tem suas raízes nos primórdios da colonização do Brasil e está intimamente relacionada à lenda do Sabarabuçu. Região de limites imprecisos, o Sabarabuçu atraiu inúmeros aventureiros para seu sertão. A busca dos sertanistas era pela riqueza das serras: prata e pedras preciosas.
No Centro Histórico está localizada a maioria dos atrativos históricos e arquitetônicos: igrejas do século XVIII, o Teatro Municipal, o Museu do Ouro, chafarizes e o casario de arquitetura colonial. Há igrejas em Sabará que mesclam características artísticas de diferentes fases do barroco mineiro. A Matriz de Nossa Senhora da Conceição apresenta características de três períodos da Arte Barroca, fato raro nas cidades históricas de Minas Gerais.Além das características históricas, integram a paisagem, com rara beleza, vasta natureza e muitas montanhas.
Cidade: Sabará
Distância de BH: 23 km
Tem que conhecer: Museu do Ouro e gastronomia local, especialmente produtos feitos de jaboticaba.
Outras informações: www.iepha.mg.gov.br
Diamantina
Diamantina é uma cidade que soube conservar sua arquitetura, cultura e natureza para se tornar uma das cidades históricas mais conhecidas e visitadas do Brasil. Possui um casario colonial de inspiração barroca, construções históricas e igrejas seculares, que carregam consigo mistérios que fazem parte da cultura popular dos diamantinenses. A musicalidade, com suas serenatas e vesperatas faz das ruas da cidade um verdadeiro show. Para completar, a paisagem cênica que envolve a cidade é uma das mais deslumbrantes de toda Minas Gerais.
Estas características, além de encantar a todos, trouxeram para a cidade, em 1999, o título de Patrimônio Cultural da Humanidade, entregue pela UNESCO. A cidade é um lugar onde o erudito e o popular se misturam em obras autênticas da musicalidade mineira, fazendo de Diamantina um dos destinos mais singulares para visitação em Minas Gerais.
Cidade: Diamantina
Distância de BH: 190 km
Tem que conhecer: Cachoeira dos Cristais, Casa Juscelino Kubitschek, Vesperata, Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, Igreja Nossa Senhora do Carmo, Mercado Municipal.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Aventura e natureza
Ainda de acordo com os dados da Setur, o ecoturismo fica em segundo lugar, com 34%. Os três parques mais visitados são Ibitipoca (80mil pessoas), Peter Lund (52 mil) e Serra da Canastra (48 mil). Voar de parapente sobre a Serra da Moeda é um misto de adrenalina e liberdade. Na Serra do Cipó, os aventureiros podem aproveitar das mais variadas atividades, como trekking, canoagem e rapel.
Conhecida com a Terra das Cachoeiras, Carrancas vem desenvolvendo o ecoturismo como alternativa econômica e atrativos não faltam para a prática da atividade. Paz, aventura em meio a natureza fazem de Carrancas um destino imperdível para quem curte a vida ao ar livre. Caminhadas, cachoeiras e paisagens relaxantes atraem turistas em busca de banhos refrescantes e contato com a natureza.
Cidade: Carrancas
Distância de BH: 299 km
Tem que conhecer: Cachoeira dos Anjos, Cachoeira do Moinho, Igreja Matriz de Carrancas, Cachoeira da Serrinha.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Conheça outras possibilidades de roteiros de aventura
parque-serras-corpo
Rota das Grutas Peter Lund
Próximo à capital encontra-se uma das mais importantes áreas de visitação de cavernas do Brasil. A Rota das Grutas Peter Lund abriga três belíssimas grutas e tem no ecoturismo e no turismo de aventura as suas principais atrações. Passando pelos municípios de Cordisburgo, Lagoa Santa, Pedro Leopoldo e Sete Lagoas, a área abrange ainda três unidades de conservação: o Parque Estadual do Sumidouro, em Lagoa Santa e Pedro Leopoldo; o Monumento Natural Gruta Rei do Mato, em Sete Lagoas, e o Monumento Natural Peter Lund, em Cordisburgo.
grutas-corpo
Outras alternativas
Museu de Ciências Naturais – Rua Dom José Gaspar, 290 – Coração Eucarístico – BH/ MG – (31) 3319-4152. Funciona de 3ª a sab. (inclusive feriados), das 9h às 17h.
Trilha Lagoa do Sumidouro – Praça Fernão Dias, 10 – Entorno do Aeroporto de Confins – Distrito de Quinta do Sumidouro/Lagoa Santa/MG – (31) 3661-8122. Funciona de terça-feira a domingo, das 9h às 17h.
Roteiros relax
O turista que prefere a calma também encontra destinos ideais para relaxar e cuidar do corpo e da mente. As águas do Sul de Minas são famosas pelos poderes medicinais. Araxá, Poços de Caldas, São Lourenço, Caxambu e Cambuquira são destinos perfeitos para aqueles que buscam bem estar.
Cidade: São Lourenço
Distância de BH: 397 km
Tem que conhecer: Parque das Águas, Trem das águas, Maria Fumaça, Teleférico, Memorial Tancredo Neves, Aldeia Vila Verde, Mirante, Ilha dos amores.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Cidade: Caxambu
Distância de BH: 380 km
Tem que conhecer: Parque das águas, Teleférico ao Morro do Caxambu, city tour de charrete, Praça XVI de Setembro, Centro de Artesanato, Horto Florestal.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Clima de romance
Para curtir a dois ou em família Monte Verde oferece charme e romance. Situada na Serra da Mantiqueira, a vila mantém costumes trazidos pelos primeiros moradores e possui influência alemã, suíça e italiana. Os visitantes podem aproveitar os atrativos de natureza e escalar as altas montanhas da Serra da Mantiqueira ou fazer caminhadas nas trilhas que levam até o topo da Serra. Lá de cima, é possível ver toda Monte Verde, Campos do Jordão e outras cidades do Vale do Paraíba. Atividades como caminhadas por trilhas, passeios a cavalo, montanhismo ou até mesmo contemplação da natureza são algumas das opções que o local oferece.
Cidade: Monte Verde
Distância de BH: 488 km
Tem que conhecer: Pico do Selado, Mirante, Trilha do Pinheiro Velho.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Furnas
O Lago de Furnas é a maior extensão de água do estado de Minas Gerais e um dos maiores lagos artificiais do mundo. São quase 1.500 km² de águas cristalinas, o que o torna quatro vezes maior que a Baía de Guanabara. O Lago foi criado pela barragem de Furnas, na década de 60, e hoje é conhecido como o “Mar de Minas”.
Furnas abrange 34 municípios e a riqueza de suas águas é evidente: formam-se lagos, cachoeiras, balneários e piscinas naturais que convidam para um agradável passeio náutico, pesca esportiva ou para a prática do ecoturismo. Ao redor do Lago, lojas, hotéis, pousadas e restaurantes com o que a região tem de melhor a oferecer aos turistas.
Cidade: Furnas
Distância de BH: 315 km
Tem que conhecer: Paraíso Perdido, Cachoeira do Filó, Lagoa Azul, Mirante da Usina, Passeio de Chalana, Cachoeira Fecho da Mata.
Mais informações: www.minasgerais.com.br
Fonte e imagem: Agência Minas
***
***
***
ONU reconhece programa de proteção de direitos humanos de Minas como o mais avançado do país.



Em visita ao estado, representantes das Nações Unidas ressaltaram também o esforço do Governo para a instituição de uma política estadual para os atingidos por barragens.
O programa para proteção de defensores de direitos humanos em Minas Gerais, da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac), foi reconhecido como o mais avançado do país pelo Grupo de Trabalho sobre Empresas e Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU). Os representantes da ONU, que foram a vários estados do país durante dez dias, visitaram também a cidade de Mariana, onde ocorreu o rompimento da barragem de rejeitos da Samarco.
Em Minas Gerais, o Grupo de Trabalho (GT) encontrou cinco defensores de direitos humanos que recebem proteção do programa. Em texto da declaração de visita ao Brasil, os representantes da ONU relataram que há um alto nível de ameaças aos defensores no país e que “o Grupo de Trabalho entende que o programa de defensores de direitos humanos em Minas Gerais é considerado o mais avançado do país”.
No Brasil, o Programa de Proteção a Defensores de Direitos Humanos (PPDDH) surgiu após pressão social devido ao assassinato da irmã Dorothy Stang, em 2005. Em Minas, foi criado em 2010, mas só quatro anos depois saiu o marco regulatório. O PPDDH busca adotar medidas para a proteção de pessoas naturais ou jurídicas, grupos, instituições, organizações e movimento sociais que tenham seus direitos violados ou ameaçados em decorrência de sua atuação pelo reconhecimento, respeito, proteção, promoção ou exercício dos direitos humanos.
O subsecretário de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos da Sedpac, Leonardo Nader, disse que a Secretaria fez questão de ter um diálogo franco com o grupo da ONU. “Parte disso, foi expor aos membros da ONU a triste realidade, já que alguns defensores de direitos humanos ainda sofrem graves ameaças por sua defesa de direitos. O grupo conheceu defensores protegidos pelo programa e reconheceu os méritos da valorosa equipe que os protege. As recomendações, de mais investimento e mais capacitação no uso de mecanismos internacionais, são salutares e serão levadas a sério pelo Governo”, disse.
Barragens
O GT considerou também positiva a busca da criação por Minas de uma política estadual sobre pessoas afetadas por barragens e outros projetos de desenvolvimento. No documento final da visita, os representantes da ONU disseram que “a lei buscaria tratar alguns dos principais problemas observados atualmente por meio, entre outras coisas, da garantia de participação das comunidades afetadas em todas as etapas do projeto de desenvolvimento, do reconhecimento da situação específica dos povos indígenas e do estabelecimento de diretrizes claras referentes a indenizações e reassentamentos”.
O Governo de Minas Gerais incumbiu a Sedpac de coordenar um Grupo de Trabalho para apresentar a proposta de criação da Política Estadual dos Atingidos por Barragens e outros Empreendimentos (PEA).  Após amplo levantamento, o grupo encaminhou esse trabalho à Mesa de Negociação – criada pelo Governo do Estado – para análise e orientações a serem seguidas, antes de levá-la à consulta pública.
“A política estadual para pessoas afetadas por grandes obras de infraestrutura e urbanização é um passo que o governo estadual estava adotando mesmo antes do desastre em Bento Rodrigues”, disse Leonardo Nader, acrescentando que “é a forma do governo de elevar os direitos humanos ao cerne da questão do desenvolvimento, lidando com a dívida histórica que temos com os atingidos. Nossa cooperação com os movimentos sociais ao desenhar essa política foi essencial para poder avançar”.
Grupo de Trabalho
Os peritos da ONU, que visitaram o país a convite do Governo Brasileiro, cumpriram agenda em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Mariana, Altamira e Belém para reuniões com autoridades governamentais, empresas e organizações da sociedade civil. O objetivo foi examinar os impactos das atividades empresariais sobre os direitos humanos. As conclusões da visita serão incluídas em relatório oficial a ser apresentado ao Conselho de Direitos Humanos em junho de 2016.
O subsecretário Leonardo Nader enfatizou que a ONU, após visitar Minas Gerais, vai entregar ao Estado sugestões de ações que podem ser implementadas na Bacia do Rio Doce. “Eles já fizeram uma pequena lista de recomendações. Outra mais completa será entregue no próximo ano”, esclareceu.
Foto: Divulgação/Sedpac

***
***
***

ONU e governo brasileiro fortalecem proteção de direitos de 23 mil adolescentes internos.


O Escritório das Nações Unidas para Serviços de Projetos (UNOPS) e a Secretaria de Direitos Humanos do governo federal concluíram nesta sexta-feira (18) um encontro com gestores estaduais e parceiros do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). A ocasião serviu para alinhar os parâmetros nacionais de cumprimento à lei que regulamenta o atendimento de cerca de 23 mil adolescentes que cometeram atos infracionais, de acordo com dados de 2013. O apoio do UNOPS ao governo está diretamente relacionado aos projetos de infraestrutura para adequação à lei do Sinase.
O encontro aborda segurança e arquitetura socioeducativa, e atendimento em meio aberto. Os dados mais recentes do Sistema indicam que o Brasil possuía, em 2013, 452 unidades de internação para atender os adolescentes em atendimento socioeducativo. Dos 23 mil meninos e meninas em cumprimento de medida socioeducativa, 15,2 mil – ou 64% – cumprem medida em unidades de internação e 5 mil estão em internação provisória. A Lei do Sinase existe há três anos, mas ainda não é implementada adequadamente, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente, em todos os estados brasileiros.
Sistemas adequados e de qualidade
“Queremos uma revolução do sistema socioeducativo para executar a lei da forma como está prevista. Ter um sistema que funcione, que tenha qualidade e respeite os direitos dos adolescentes é a melhor maneira de combatermos a ameaça da redução da maioridade penal, que é um grande risco e retrocesso na área de direitos humanos”, afirmou o secretário nacional de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente da Secretaria de Direitos Humanos, Rodrigo Torres de Araújo Lima. “A política pública tem que estar articulada. É um esforço de todo o sistema de garantia de direitos e de parcerias importantes”, disse.
“Por que existem tantos adolescentes reincidindo? Nós precisamos inovar e colocar em prática a lei e cuidar da nossa casa para que o Brasil seja referência internacional no assunto”, afirmou a vice-presidente do Fórum dos Dirigentes Governamentais de entidades executoras da Política de Promoção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fonacriad), Isa Maria do Rosário de Andrade.
Durante o encontro de três dias, especialistas em segurança, engenharia e arquitetura e educação irão revisar e validar, conjuntamente, os parâmetros de implementação do Sinase. O UNOPS apoiará o governo brasileiro especialmente na definição dos parâmetros arquitetônicos. O grupo de coordenadores de atendimento em meio aberto irá compartilhar experiências.
A equipe do UNOPS e a equipe de engenheiros e arquitetos da própria Secretaria realizarão a articulação com os gestores estaduais e desenvolverão um novo documento com os parâmetros arquitetônicos, baseados em experiências de referência no Brasil e adequadas à lei. “Esse documento não servirá apenas como referência para os estados, mas também para outros países vizinhos da América Latina, que observam a experiência brasileira”, informou o gerente de projetos do UNOPS, Jack Camelq.
A Secretaria de Direitos Humanos mantém atualmente 15 convênios com estados para a construção, reforma e ampliação de unidades de internação, casas de semiliberdade e núcleos de atendimento integrado (NAI), onde adolescentes recebem atendimento psicossocial, judiciário e são mantidos provisoriamente, durante 48 horas. Para cumprir a lei 12.594/2012, as unidades de internação devem acolher, no máximo, 90 adolescentes e jovens. Nove dos convênios atualmente firmados já se encontram em fase de obras.
Formação e Educação à Distância
O encontro em Brasília dura três dias. Está previsto um debate da Escola Nacional de Socioeducação, com o objetivo de melhorar a gestão e aprimorar a qualidade do atendimento socioeducativo dos adolescentes. Ao todo, 70 pessoas de todo o Brasil integram o evento.
Além dos representantes estaduais, gestores dos ministérios de Desenvolvimento Social e Combate à Fome, da Educação e da Saúde acompanham os debates. O UNOPS também apoia a Escola Nacional de Socioeducação, uma plataforma on-line de ensino à distância que amplia a formação para gestores estaduais e fortalece o atendimento socioeducativo dos adolescentes de acordo com a lei do Sinase.
Fonte: ONU Brasil

Nenhum comentário: