CEZAR CANDUCHO

terça-feira, 1 de março de 2016

Lula tem de chamar o povo, ir às ruas e denunciar as diatribes da PF, do MP e da Justiça.



Por Davis Sena Filho — Palavra Livre


Todo mundo neste País e no planeta Terra que acompanha a política brasileira, desde os "especialistas" da Globo News até o mais alienado dos cidadãos, sabe muito bem o que acontece no Brasil. Aos que não sabem ou não compreendem o que está a acontecer na política brasileira, por motivos vários, afirmo: a Polícia Federal, o Ministério Público e setores da Justiça, como a Vara do juiz de primeira instância, Sérgio Moro, agem como se fossem ditadorzinhos de republiqueta edificada no Paraná, sem que ninguém dê limites para esses senhores, que estão a prejudicar seriamente a economia, as estatais brasileiras e seus projetos, como, por exemplo, a construção de submarinos nucleares, dentre muitos outros projetos estratégicos, que visam a independência e a conquista da soberania do Brasil e que ora estão praticamente paralisados.

Sem sombra de dúvida que o juiz de primeira instância, Sérgio Moro, e seu staff de delegados e procuradores estão a fazer política partidária, porque são ideológicos e se aliaram à oposição de direita, liderada pelo PSDB, partido do candidato derrotado Aécio Neves, que até hoje se nega a reconhecer e a se submeter aos resultados das eleições, porque desde outubro de 2014 realiza uma campanha frenética e feroz, de essência golpista, que tem por objetivo derrubar do poder a presidente Dilma Rousseff, eleita legalmente e democraticamente pela autoridade soberana do povo, que depositou nas urnas quase 55 milhões de votos à candidata do PT, que hoje luta para não sofrer um surreal impeachment. Trata-se de muita loucura e irresponsabilidade do PSDB e de seus associados da imprensa de mercado, do MP, da PF e da Justiça.

Não satisfeitos em prejudicar os interesses do País e paralisar as ações do governo no que tange à mandatária eleita pelo povo governar e administrar o País, o sistema plutocrata, que sustenta a opulência material e propagandística da Casa Grande, volta-se também contra o ex-presidente Lula da maneira mais covarde, pérfida e sórdida possível, em um linchamento moral e político sem precedentes nas últimas três décadas, somente comparável ao que passaram os presidentes trabalhistas Getúlio Vargas e João Goulart.

A violência e a perseguição contra Lula tem propósitos visíveis, porque apesar de o sistema judiciário (Justiça, MP e PF) e seus associados do PSDB e da imprensa dos magnatas bilionários tentarem disfarçar por meio de chicanas judiciárias, notícias manipuladas e, criminosamente, vazadas por aqueles que deveriam garantir os princípios que norteiam a Constituição brasileira — os juízes, os procuradores e os policiais —, resolveram se envolver com a política e se tornaram pedras angulares da oposição demotucana, bem como vazam documentos e inquéritos de forma seletiva, gravados ou não, para a imprensa de negócios privados, que não aceita os resultados das eleições e por isto faz, diuturnamente, uma campanha  cretina, golpista e criminosa contra o Governo Trabalhista, porque deseja derrubar Dilma Rousseff, além de tentar, sobretudo, inviabilizar a candidatura de Lula em 2018.

Lula tem de urgentemente reunir as forças progressistas e de esquerda em volta de seu nome, além de ir às ruas. São milhares de entidades, ongs, associações, sindicatos, estudantes, trabalhadores, partidos de esquerda, servidores públicos e setores da Justiça e do MP, porque a PF é caso perdido, porque policial geralmente tem cabeça de direita e, independente de qualquer situação, vai sempre pender para defender a riqueza da casa grande. Dessa forma as polícias procedem desde os tempos do Brasil Colônia. Não tem jeito.

Contudo, a PF é subordinada, porque corporação armada, e, por sua vez, impedida de ser independente. Não pode; de forma alguma. Seria a mesma coisa que transformar as Forças Armadas em corporações independentes do Governo do Brasil. Somente idiotas para apoiar uma insensatez como esta ou pessoas de má-fé, que desejam que grupos policialescos fiquem livres para cometerem suas meganhagens, a exemplo do que ocorreu na época da ditadura militar, quando o SNI, o DOI-Codi e o Dops passaram a enfrentar o Governo Federal, inclusive a Presidência da República, principalmente quando os generais resolveram efetivar o processo de abertura política e permitir, em 1979, a volta dos brasileiros exilados.

Polícias não podem mandar e fazer o que quer e o que lhe aprouver. Corporações policiais tem de ser extremamente e duramente controladas e rigidamente fiscalizadas, porque se tratam de braços armados do Estado brasileiro, a exemplo da Polícia Federal. Se o policial está a fim de fazer meganhagem ilegal e favorecer politicamente e eleitoralmente o PSDB e a oposição em geral, que vá disputar eleições, como qualquer cidadão brasileiro.

Agora querer se valer de seu cargo e função para perseguir, sem quaisquer provas até agora o presidente Lula, realmente tal covardia se torna um processo inaceitável. Tais policiais aecistas da PF e os procuradores do MP, bem como juiz de primeira instância deveriam, sim, serem duramente questionados e, quiçá, destituídos de suas funções, assim como também alvos de investigação por demonstrarem partidarismo, cor ideológica e preferências políticas e até pessoais por políticos da oposição demotucana. Fato! Nem todo mundo no Brasil é idiota ou coxinha de classe média e leitor de Veja, Época, O Globo, Estadão, Folha e telespectador de TV Globo, Globo News, Bandeirantes, CBN, Jovem Pan — et caterva.

Lula é uma força da natureza. Uma força política e social, porque não é para qualquer um sair do nada e ser aclamado como um dos dois melhores presidentes da história do Brasil. O outro é Getúlio Vargas. Não é fácil ser chamado de "ladrão" diuturnamente sem sê-lo, além de ser perseguido, mesmo a ser um ex-presidente ainda muito popular, bem como linchado em sua moral e dignidade por gente que ainda tem de provar se é digna e honesta para acusá-lo de qualquer coisa sobre sua moral. Este é o problema que causa raiva, inconformismo, sentimento de vingança e ao mesmo tempo de injustiça aos milhões de brasileiros que apoiam o PT, o projeto de Nação e de País efetivado pelo partido no poder e seus aliados.

O que está em jogo, na verdade, é o projeto de País efetivado pelo PT desde 2003 e que não é aceito pela casa grande e seus partidos e mídias, com o apoio do MPF, da PF e da Justiça, que se envolveram até a medula em questões políticas, com a finalidade de evidenciar negativamente o Governo Federal, perseguir seus líderes e prender todos aqueles que pertencem ao segmento da construção civil, porque ao parar as obras se paralisa o País, independente de quem cometeu crimes ou não. Esta é a estratégia do sistema judiciário que abraçou, criminosamente, os interesses da oposição de direita deste País liderada pelo PSDB.

Enquanto Lula é cercado por este sistema judiciário que rasgou a Constituição e estuprou o Estado de Direito, os tucanos e demos dormem em berço esplêndido, porque são inimputáveis, mesmo acusados de inúmeras ações de corrupção, que tramitam na Justiça, na PGR, na Polícia Federal, nos MPs estaduais e federais, sem, contudo, saírem de suas gavetas e arquivos já empoeirados pelo tempo e pela hipocrisia e cinismo políticos. Não tem jeito. Crimes de tucanos e seus aliados são simplesmente inimputáveis neste País. E sabe por quê? Porque não basta apenas ser governo por ter vencido eleições. Tem de ter e ser algo mais. E sabe o que significa isto? Respondo:

O PT, por exemplo, não é parte do status quo mundial e brasileiro, não controla o verdadeiro establishment, que é a plutocracia dona das grandes corporações bancárias, financeiras, petroleiras, da grande indústria bélica e das mídias hegemônicas, que no Brasil são cartelizadas e monopolizadas pela família Marinho e mais meia dúzia de famílias de menor importância, mas tão nocivas ao País quanto os herdeiros de Roberto Marinho, magnata que durante décadas mandou no Brasil mais tempo do que os militares, porque, simplesmente, ficou mais tempo no poder e a influenciar presidentes como José Sarney, Fernando Collor e, principalmente, Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal I — e "amor" dos coxinhas colonizados e de jornalistas da imprensa empresarial nativa, golpista e corrupta por vocação.

Lula vai ter de ir às ruas. Não há solução mais efetiva e racional, no momento. O político trabalhista que mudou o Brasil para melhor tem de se defender. Porém, a esquerda tem de sempre lembrar ao público que o sistema judiciário pertence ao Estado brasileiro, ao povo, ao contribuinte pagador de impostos. O Judiciário não pertence à oposição conservadora e aos donos de mídias oligopolizadas. Lula não reponde a qualquer processo e não é acusado de cometer quaisquer crimes. Ponto. As pessoas tem de entender que Lula e sua família não incorreram em desmandos administrativos e financeiros. A resumir: Lula não roubou! Existe, sim, uma nítida perseguição política e partidária, porque juízes, delegados da PF e procuradores resolveram, imprudentemente e inadvertidamente, fazer política e escolher lado.

É evidente que esses servidores públicos abusam e se aproveitam ilegalmente de seus cargos e funções. Se não comprovarem nada contra Lula e sua família vão ter de ser afastados de seus cargos e, se for o caso, exonerados para o bem do serviço público. Deverão também serem processados por aqueles que tais servidores prejudicaram. Ora bolas! Vivemos sob a égide do Estado de Direito; e o povo brasileiro não tem culpa, mas, sim, o azar de ficar sob os ditames de setores do Estado nacional de índoles antidemocráticas, ditatoriais, ideologicamente de direita e que, tal qual ao PSDB de Aécio Neves e Fernando Henrique Cardoso, não aceitaram os resultados das eleições presidenciais de 2014. Mau servidor, independente de seu cargo, não faz falta ao Brasil. Existem outros profissionais à espera de oportunidades. Além disso, pode-se recorrer aos concursos públicos.

Agora, vamos à pergunta que não quer se calar. Quem afasta, pune, processa e demite servidores de poder e mando tão perniciosos aos serviço público? Porque essa gente, ao que parece, criou um estado paralelo, à margem da democracia, do Estado de Direito e da Constituição. No Brasil de hoje o ônus da prova fica por conta de quem é acusado e as pessoas são presas sem serem comprovadamente culpadas de terem cometido crimes. Juízes, vergonhosamente, submetem-se às manchetes da imprensa comercial e privada. Lula tem de ir às ruas. O consórcio de direita formado pelos sistema judiciário, imprensa de mercado, PSDB e seus aliados não está preocupado se, posteriormente, suas acusações levianas, suas denúncias vazias e suas perseguições políticas e ideológicas não se comprovarem. No Brasil, reitero, esse pessoal da casa grande e os que servem a ela como cães de guarda são i-nim-pu-tá-veis. Fato!

Lula tem de ir às ruas da Nação e denunciar, sem papas na língua, a perseguição política que está a sofrer, bem como o linchamento moral do qual está a ser vítima. Pau que bate em Chico também bate em Francisco. A Justiça, o MPF, a PGR e a Polícia Federal pertencem ao Brasil e ao seu povo, que lhes pagam altos salários e lhes garantem o status e o prestígio de serem servidores da Lei. Agora há pouco a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal emitiu nota em que se diz contrária à saída do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que já saiu e vai assumir a Advocacia Geral da União (AGU).

Ora veja, trata-se, sem sombra de dúvida, de uma ação política de delegados, que alegam ter muita preocupação com a saída do ministro, que já saiu. Preocupação com o quê? Basta substituí-lo por outro no lugar de Cardozo. Esse pessoal tem de se preocupar em trabalhar e não com substituição de ministro. A verdade é que os delegados estão obcecados pela política e questionam uma ação autônoma do governo tomada pela presidenta Dilma Rousseff, que foi eleita para governar, inclusive mandar na PF, corporação de segundo escalão e subordinada ao Ministério da Justiça e, com efeito, à Presidência da República. Se a Associação de Delegados quer fazer política, que o faça. Porém, mandar no Ministério não vai.

Eles querem quem no lugar de José Eduardo Cardozo? O juiz tucano de primeira instância, Sérgio Moro, ou os procuradores Carlos Fernando e Deltan Dallagnol ou, quiçá, os delegados aecistas do Paraná da Vara do Moro, que chamaram, no decorrer das eleições, a Dilma de "anta" e "burra" e o Lula de "bêbado", "molusco" e "nove dedos", além das ilustrações terríveis que desumanizavam os líderes petistas, sendo que o político que foi pego supostamente bêbado nas ruas foi o tucano e playboy Aécio Neves, o candidato preferido desses policiais ideológicos e arrogantes, conforme matérias, fotos e vídeos que são facilmente vistos ao se acessar a internet. Durma-se com a arrogância, prepotência e meganhagem desses policiais.

Sabe o que os policiais querem, no fundo? Uma PF independente, como os economistas e as mídias de direita querem um Banco Central independente. Só se a Dilma e os próximos governantes estiverem loucos, sejam eles de direita ou não. Banco Central independente significa entregar o BCB aos bancos privados e se submeter às suas políticas econômicas e monetárias. Já imaginaram a loucura de os bancos privados determinarem as políticas financeiras e, com efeito, as políticas públicas? É a mesma coisa que entregar o galinheiro à raposa e matar o povo de fome e desgosto.

Entretanto, Polícia Federal independente significa entregar o Estado de Direito a policiais politicamente conservadores, mas que não conhecem o mundo político e muito menos as relações partidárias, no que diz respeito à política como forma de se chegar a um consenso comum para que se possa administrar um País complexo como o Brasil, onde fazer política é caríssimo. A maioria dos promotores, policiais e juízes não conhece as máquinas partidárias e, consequentemente, enxerga corrupção em quaisquer conversas gravadas, inclusive ilegalmente e criminosamente, como aconteceu no mictório de presos em Curitiba. O que eu assevero ficou claro e evidente no interrogatório do juiz Moro em relação a José Dirceu. A ignorância do magistrado chega a dar pena, mas sua arrogância é imbatível, pois ele sabe que coopera com a oposição, como sempre foi ligado, juntamente com alguns parentes seus, ao PSDB do Paraná.

Uma PF independente é um absurdo. É como se o governo norte-americano desse independência ao FBI. Não dá, né? Esses caras não tem limite. Imagina se um presidente vai abrir mão de ter uma corporação útil, apesar de suas deformações, como a PF. Seria um mandatário idiota, até porque deformações se corrigem. É a mesma coisa de abrir mão do Exército. Simplesmente não dá. Delegado de PF tem de se enquadrar, ser enquadrado e se subordinar às leis e às autoridades acima dele. Ele não é um corpo solto na esfera governamental. Delegado anda armado e prende pessoas. Portanto, seu cargo e função tem de estar subordinados ao Governo Federal, seja qual for o governante, independente de partidos e ideologias.

Ah, já ia esquecendo. O novo ministro da Justiça é o procurador de Justiça Wellington César, ligado ao ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner. O que representa isto? Representa um maior controle da Presidência da República sobre o Ministério da Justiça, que não coibia, na administração Cardozo, vazamentos ilegais e criminosos de processos e de inquéritos, ações açodadas, casuísticas, imprudentes e, sobretudo, midiáticas de policiais que se interessam mais por holofotes da imprensa do que serem republicanos. A Polícia Federal é uma corporação e não um partido político. Então que a PF atue e aja como tal e o Ministério da Justiça coloque ordem na Casa.

Duvido que o presidente Fernando Henrique Cardoso permitiria uma coisa dessas. Tanto não permitiu que a PF não prendeu nenhum tucano graduado, que, inclusive, realizaram a segunda maior privatização do mundo, venderam o Brasil por migalhas e até hoje ninguém do PSDB está preso. Nem políticos, nem burocratas e nem técnicos do Governo FHC. Não é verdade? E a PF e o MP querem prender e denunciar tucanos de altas plumagens? Querem?! Então por que não começam pelo escândalo da Lista de Furnas? Talvez o escândalo mais documentado e nada acontece pelas mãos da PF. Com a resposta, o presidente da Associação dos Delegados da Polícia Federal tão preocupado com os rumos da política e com a substituição do ministro da Justiça ao invés de se preocupar em prender todos aqueles que roubaram o dinheiro público, inclusive os políticos do PSDB e do DEM, conforme vasta documentação publicada em livros, além de enorme repertório de notícias, inclusive da imprensa mercantilista dos magnatas bilionários, bem como jazem nos escaninhos da PGR e da PF as provas de participações de tucanos em corrupções. São muitos os escândalos... E nada.

Por seu turno, a rua é o caminho de Lula, porque é nela que se começa a luta política para quem é trabalhista e socialista. Vá às ruas, Lula, pois elas são os termômetros de sua credibilidade e força política junto ao povo. Denuncie a perseguição, as diatribes da PF, do MP e da Justiça. A direita e seus mandarinos não são os donos do Brasil. É inaceitável apenas um lado, o do PT e de seu governo, ser investigado e ter seus membros punidos, enquanto se verifica que o outro lado, o do PSDB, conta com o irrestrito apoio e a proteção da imprensa alienígena e do consórcio de servidores públicos que resolveram fazer política e derrubar governos de esquerda legitimamente eleitos pelo povo brasileiro. É isso aí.

Nenhum comentário: