CEZAR CANDUCHO

domingo, 17 de julho de 2016

Polícia se choca com ataque fascista a deficiente e promete caçar criminoso.

bo capa

A delegada que me atendeu na última sexta-feira no 36º Distrito Policial de São Paulo foi a mesma que me atendeu quando lá estive há algumas semanas para depor sobre inquérito aberto pela Polícia Civil, a pedido do Ministério Público, por conta de denúncia que fiz à polícia no ano passado após ameaças contra “petistas” postadas neste Blog por um neonazista.
Quem não sabe do que se trata, clique aqui para ver o post anterior, com a denúncia.
Abaixo, o número do inquérito que a polícia civil abriu contra o neonazista que fez ameaças neste Blog no ano passado.
diabo 2
Agora, novos criminosos virtuais voltaram a agir.
Na outra vez em que estive naquela delegacia, conversei longamente com a delegada (cujo nome não será informado por questões de segurança) sobre a situação política no Brasil. Ao revelar a ela o teor da denúncia que estava indo fazer desta vez, pude ver o olhar de espanto e horror da policial, que chamou os colegas para compartilhar com eles o caso espantoso envolvendo agressão por escrito à filha do blogueiro, Victoria Guimarães.
Escrivão, investigadores e a própria delegada disseram-se “surpresos” com a natureza da injúria que, em seguida, registrariam em boletim de ocorrência.
Para quem não sabe do que se trata, segue, abaixo, comentário postado neste Blog na semana que finda. O autor fez esse comentário em post anterior no qual o blogueiro ponderou que se o Brasil vivesse sob o governo Temer quando sua filha deficiente adoeceu, em 2009, ela já não estaria viva, pois esse governo quer impedir que as pessoas recorram à Justiça quando planos de saúde se recusarem a cumprir a lei e negarem atendimento aos conveniados.
Confira, abaixo, a denúncia feita à polícia civil de São Paulo na sexta-feira 15 de julho.
bo
Esse crime continua surpreendendo a todos quantos tomam conhecimento de sua natureza desumana, ou subumana. Além da polícia, conversei com procuradores do Ministério Público, advogados e um deputado federal. Todos se surpreenderam com o nível de perversidade do autor do crime e concordaram que alguém assim é uma ameaça à sociedade e precisa ser encontrado e afastado do convívio social a bem da segurança da coletividade.
O viés sexual que esse criminoso imprime ao seu ataque a uma inocente como Victoria sugere que pode se tratar de um estuprador ou pedófilo que se julga inalcançável pela lei. Está claro que esse indivíduo pode estar agora mesmo atacando crianças indefesas por meios menos efetivos do que palavras.
A delegada prometeu envidar todos os esforços possíveis para localizar o autor desse ataque. O primeiro passo será quebrar o sigilo telemático do Blog para saber de onde veio o comentário criminoso.
Porém, a delegada avisa que, à diferença do neonazista que está sendo procurado por ter feito uma ameaça difusa de “morte a petistas”, o agressor de Victoria atacou um só pessoa e foi um ataque retórico, de modo que este denunciante provavelmente vai ter que se responsabilizar por perícias técnicas e demais providências relativas à identificação do autor do crime.
Seja como for, as autoridades envolvidas prometem fazer todo o possível para que o caso seja apurado autonomamente pelo Estado, poupando o denunciante de ter que arcar com perícias e demais procedimentos.
Entretanto, haverá que representar o Boletim de Ocorrência à delegacia e, preferivelmente, também ao Ministério Público, de modo que o blogueiro contratará um advogado para as providências iniciais, contando com o espírito público das autoridades para que seja poupado de novas despesas na fase das perícias necessárias.
Quero declarar aos leitores desta página que o que me move a não deixar esse crime impune nem é o ataque à minha filha, mas o risco que essa aberração que cometeu o crime representa à sociedade. Além disso, só a punição severa desse tipo de crime poderá dissuadir outros animais como esse. Caçar e punir esse criminoso será um serviço de utilidade pública.
*

Nenhum comentário: