CEZAR CANDUCHO

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Marisa Letícia foi vítima da justiça medieval de Sérgio Moro.


Por Bajonas Teixeira, colunista do Cafezinho
A justiça de Moro, sempre açulando e excitando as massas de classe média ao ódio, desde a condução forçada de Lula no dia 04 de março, tornou certamente a vida de Marisa um inferno. Sua autoridade, escudando a  máquina de calúnias, bloqueou a existência da companheira de Lula,  tornou impossível que saísses às ruas, instalou nela a angústia permanente pela prisão do marido e do filho,  enlameou maldosamente a sua história, deu asas à violência perversa de todos os inimigos políticos do casal.
E não deixa de ser um gesto de tolo cinismo que, no dia da sua morte, Sérgio Moro, para compensar, solte o ex-tesoureiro do PT e deixe escancarado, para quem sabe ver, a profunda obscuridade medieval da sua justiça.
Ontem, quando a imprensa divulgava o diagnóstico de morte cerebral de Marisa Letícia, Sérgio Moro mandou soltar o tesoureiro do PT que apodrecia há sete meses em uma masmorra de Curitiba.  Quem observa a cena, tem a impressão de que, como num chuveiro com duas torneiras, uma para a água quente e  outra, para a fria, Sérgio Moro abriu o registro da água fria, para amenizar o efeito da comoção produzida com a morte de Marisa.
Se trata do velho jogo de pesos e contrapesos, uma técnica de compensação. Mas isso não merece o nome de Justiça, ao menos em seu sentido moderno. Se, pela generosidade e magnânima graça de Sérgio Moro, um sujeito trancafiado por sete meses é retirado do seu cubículo para servir de contrapeso à exasperação popular, isso não tem a mais remota semelhança com o que se costuma chamar de justiça.
Não com a justiça moderna. Certamente, tem muito a ver com a justiça medieval, em que o espetáculo, a expiação do condenado, mas também a ‘grandeza ‘e a ‘bondade’ do juiz podiam e deviam ter vez na celebração da justiça.
É essa justiça de uma época de trevas, apoiada em pesos e contrapesos, em indulgência e severidade, que marca toda a compreensão de justiça de Sérgio Moro. É verdade que ele prefere as vestes modernas, diz que quer estudar nos EUA, e até dá a impressão, nos seus escritos, de estar produzindo más traduções de textos americanos. Mas a semelhança cessa aí, na forma exterior. No conteúdo, sua compreensão de justiça é medieval.
Um exemplo entre mil:  Em 20 de setembro, depois de aceitar a ridícula denúncia de Dallagnol contra Lula e Marisa, sem provas ou sequer indícios convincentes, Sérgio Moro se pôs a lamentar como se outro, e não ele, tivesse acaba de abrir um processo contra a ex-primeira dama:
“Lamenta o juízo em especial a imputação realizada contra Marisa Letícia Lula da Silva, esposa do ex-presidente. Muito embora haja dúvidas relevantes quanto ao seu envolvimento doloso, especificamente se sabia que os benefícios decorriam de acertos de propina no esquema criminoso da Petrobras, a sua participação específica nos fatos e a sua contribuição para a aparente ocultação do real proprietário do apartamento é suficiente por ora para justificar o recebimento da denúncia também contra ela e sem prejuízo de melhor reflexão no decorrer do processo”, escreveu Moro.
Do ponto de vista moderno, que repudia veementemente a hipocrisia, esse texto é uma abominação espantosa. Do ponto de vista da balança de Sérgio Moro, se trata de amenizar a água quente com um pouco de água fria. Certamente o que se visa aqui é prevenir a crítica de excesso de severidade com uma tirada de bondade, de compreensão humana, de empatia. Mas, quem olhe sem a viseira medieval, só pode repudiar a parcialidade desse procedimento.
E o motivo é muito simples e óbvio: ele é a porta pela qual se insinua a ação arbitrária do juiz. O juiz que banca o bondoso, o compreensivo, já introduz  a sua própria “graça” no mecanismo judicial que deveria ser isento. E, sabendo que a roda da justiça – inclusive aquela roda, nome de instrumento de tortura, onde se pendura os penitentes para a confissão – depende da sua figura, ele pode dizer, sem pestanejar, “A Justiça sou eu”.
E foi isso que Sérgio Moro fez,  garantido pela cumplicidade compacta da mídia e do Judiciário, quando divulgou os áudios da conversa entre Lula e Dilma no mesmo dia em que o ex-presidente foi nomeado para o ministério da Casa Civil. Observem o resumo do que aconteceu naquela  dia 16 de março:


MANHÃ:


– Lula aceitou o convite de Dilma para ser o novo ministro-chefe da Casa Civil, no lugar de Jaques Wagner, que será deslocado para chefia de gabinete da presidente, com status de ministro.

TARDE:

– Por volta das 13h45, Lula é anunciado oficialmente, por meio de uma nota.
– Dilma dá entrevista e diz que Lula terá os “poderes necessários” para ajudar o Brasil.

NOITE:

– Moro derruba sigilo e divulga grampo de ligação entre Lula e Dilma.

– Planalto diz que Moro violou a lei ao divulgar telefonema.

– Há manifestações e panelaços em diversas cidades.

(Fonte: G1)
Como é óbvio,   divulgação foi calculada para sair no JN e serviu para conduzir os ânimos da classe média robotizada pela mídia ao máximo de excitação, que, com a sensação de ter as costas quentes, ou seja, de ter por trás dela o poder, se lançou às ruas em uma histeria de possessão e ódio.
Pois é esse o resultado de uma justiça manipulada pela técnica da compensação e movida pelo arbítrio judicial.
A justiça que começa como jogo de compensação, misturando o quente e o frio para mostrar a generosidade do juiz, já é um jogo manipulatório, que produz seus efeitos através do uso de técnicas exteriores à justiça. Por isso, facilmente, evolui para a manipulação pura e simples de uma opinião pública já muito propensa a aceitar heróis e mocinhos.
Mas a justiça que se torna uma técnica de manipular a opinião pública, já não é justiça. É política e é publicidade, defende causas e faz campanha, mas de modo algum exerce a neutralidade e a isenção que são princípios da justiça moderna.  Seu maior perigo, contudo, como mostra a morte de Marisa Letícia, é o seu funcionamento como instrumento de tortura.
*

Nenhum comentário: